Como lidar com a solidão

LIDAR com a solidão não é fácil, pois estão envolvidas fortes emoções. Como alguém pode combatê-la? O que alguns fizeram para superar esse sentimento forte?

Enfrentar a solidão

Helen* gosta de ficar sozinha ao tomar decisões, mas ela acha que a solidão pode ser perigosa. Quando era criança, a comunicação com seus pais deixava a desejar. Não sabendo como chamar a atenção deles, trancou-se no quarto. Ela comenta: “Comecei a ter distúrbios alimentares. Caí em depressão. Dizia para mim mesma: ‘Por que devo me preocupar com os problemas dos meus pais se eles não se preocupam com os meus?’ Daí, achei que o casamento poderia preencher o vazio deixado pela solidão. Buscava no casamento uma fuga. Mas então eu raciocinei: ‘Por que arruinar a vida de outra pessoa? Preciso primeiro colocar minha cabeça em ordem.’ Orei a Jeová pedindo ajuda, expressando toda a minha angústia.

“Encontrei na Bíblia palavras muito consoladoras, como as de Isaías 41:10: ‘Não tenhas medo, pois estou contigo. Não olhes em volta, pois eu sou teu Deus. Vou fortificar-te. Vou realmente ajudar-te. Vou deveras segurar-te firmemente com a minha direita de justiça.’ Essas palavras me ajudaram muito, pois me sentia como se não tivesse pai. Hoje, eu leio a Bíblia regularmente e oro ao meu Pai celestial. Aprendi a superar a solidão.”

A morte de alguém querido provoca tristeza que, por sua vez, pode levar à solidão. Luisa, 16, expressa sua angústia: “Meu pai foi morto quando eu tinha cinco anos. Procurei me achegar mais à minha avó, mas nunca achei que ela me amasse. Não recebi muita afeição durante a infância, quando eu mais precisava. Tentei me suicidar três vezes quando tinha entre oito e nove anos. Achava que essa era a melhor saída para minha família, visto que minha mãe estava batalhando para sustentar a mim e minhas três irmãs. Então começamos a nos associar com as Testemunhas de Jeová. Um jovem casal demonstrou interesse sincero em mim. Eles sempre me diziam: ‘Nós gostamos de você e precisamos de você.’ As palavras ‘nós precisamos de você’ me deram muita força. Às vezes não consigo externar meus sentimentos para ninguém, mas agradeço a Jeová quando leio artigos publicados em A Sentinela e Despertai!, por meio dos quais sinto Seu amor. Já fiz várias mudanças. Hoje, eu consigo sorrir e demonstrar para minha mãe sentimentos de alegria e tristeza. Às vezes voltam lembranças do passado, mas não como na época em que tentei me suicidar ou quando parei de falar com pessoas queridas. Eu sempre me lembro do que o salmista Davi disse: ‘Agora vou falar por causa dos meus irmãos e dos meus companheiros: “Haja paz em ti.”’” — Salmo 122:8.

Martha está divorciada há 22 anos e nesse tempo ela criou um filho. “Sentimentos de inutilidade e solidão costumam reaparecer quando penso que talvez tenha falhado em alguma coisa”, diz ela. Como consegue lidar com esses sentimentos? Ela explica: “Descobri que a melhor maneira de lidar com isso é falar imediatamente com Jeová Deus. Quando oro, sei que não estou sozinha. Jeová me entende melhor do que eu mesma. Também procuro mostrar interesse por outras pessoas. Meu ministério de tempo integral é uma poderosa arma, em especial contra sentimentos negativos. Quando você conversa com as pessoas sobre as bênçãos do Reino de Deus e se dá conta de que elas não têm esperança nenhuma e ainda encaram seus problemas como algo permanente, daí você percebe que tem razões sólidas para viver e continuar lutando.”

Elba, 93, cuja filha única é missionária no estrangeiro, nos conta como ela lida com a solidão: “Quando minha filha e meu genro foram convidados a cursar a Escola Bíblica de Gileade da Torre de Vigia, seus rostos brilhavam de alegria e eu também fiquei alegre por eles. Mais tarde, quando receberam uma designação para servir no estrangeiro, comecei a me sentir um pouco egoísta. Sabia que não ia tê-los mais por perto e fiquei um pouco triste. A situação para mim era semelhante àquela de Jefté e sua filha única, conforme relatada em Juízes, capítulo 11. Chorando, orava para Jeová e pedia perdão. Minha filha e meu genro sempre dão notícias. Sei que são muito ocupados, mas onde quer que sirvam, sempre arrumam tempo para escrever, contando episódios do ministério de campo. Leio e releio as cartas que eles me enviam. É como se conversassem comigo toda semana e sou muito grata por isso! Também, os anciãos cristãos em minha congregação dão atenção adequada para nós, idosos e adoentados, sempre se certificando de que tenhamos transporte para as reuniões congregacionais e cuidando de nossas outras necessidades. Eu encaro meus irmãos e irmãs espirituais como uma bênção da parte de Jeová.”

Você também pode aprender a lidar com a solidão

Quer você seja jovem quer idoso, solteiro ou casado, filho com pais vivos ou órfão, e caso tenha perdido alguém que amava ou esteja se sentindo solitário devido a qualquer tipo de problema, há maneiras de superar esses sentimentos. Jocabed, uma jovem de 18 anos, cujo pai abandonou a família de seis pessoas para viver em outro país, diz: “Converse francamente! É importante externar o que sentimos. Se não fizermos isso, ninguém vai nos compreender.” Ela recomenda: “Pare de pensar tanto em si mesmo. Procure a ajuda de pessoas maduras e não de jovens que talvez estejam numa situação pior do que a sua.” Luisa, mencionada anteriormente, comenta: “Orações sinceras a Jeová nos dão a ajuda de que precisamos para nos livrar de situações que podem parecer um beco sem saída.” Jorge, cuja esposa é falecida, comenta o que ele faz para lidar com a solidão: “É necessário persistência. Demonstrar interesse nos outros me ajuda muito. ‘Compartilhar os sentimentos’ ao conversar com outros pode fazer com que nossa conversa se torne mais significativa e nos ajudar a descobrir a beleza interior de cada um.” — 1 Pedro 3:8.

Muitas coisas podem ser feitas para combater a solidão, mas será que algum dia ela será coisa do passado? Em caso afirmativo, como isso vai acontecer? O próximo artigo responderá a essas perguntas.

[Nota(s) de rodapé]

Alguns nomes foram mudados.

[Destaque na página 8]

“Orações sinceras a Jeová nos dão a ajuda de que precisamos para nos livrar de situações que podem parecer um beco sem saída.” — Luisa

[Quadro/Fotos na página 7]

O que se pode fazer para lidar com a solidão

▪ Tenha em mente que a situação pode mudar, que não é permanente e que outras pessoas também enfrentam esse problema.

▪ Não exija demais de si mesmo.

▪ De maneira geral, fique contente consigo mesmo.

▪ Tenha bons hábitos alimentares, exercite-se e durma o suficiente.

▪ Gaste o tempo em que fica sozinho criando coisas e adquirindo novas habilidades.

▪ Tome cuidado para não julgar os outros com base em suas próprias experiências passadas.

▪ Dê valor aos seus amigos e suas qualidades exclusivas. Empenhe-se em fazer um bom círculo de amizades. Peça sugestões de pessoas mais maduras, com mais experiência.

▪ Faça algo pelos outros — sorria para eles, fale uma palavra bondosa, transmita-lhes um pensamento bíblico. Sentir que se é útil para outras pessoas é um antídoto contra a solidão.

▪ Não crie fantasias sobre astros do cinema ou da TV, e personagens de livros ou da internet, imaginando ter algum relacionamento com eles.

▪ Se for casado, não espere que o cônjuge satisfaça todas as suas necessidades emocionais. Aprendam a dar e a receber, a ajudar e a apoiar um ao outro.

▪ Aprenda a conversar com as outras pessoas e a ser um bom ouvinte. Concentre-se nas outras pessoas e em seus interesses. Demonstre empatia.

▪ Reconheça que se sente solitário e converse com um amigo maduro, alguém em quem confia. Não sofra em silêncio.

▪ Procure não consumir muita bebida alcoólica ou evite-a por completo. O álcool não elimina seus problemas — com o tempo, eles voltam à tona.

▪ Não seja orgulhoso. Perdoe as pessoas que o magoaram e faça as pazes. Procure ser menos desconfiado.

[Foto na página 6]

Como se pode lidar com a solidão?