Ressurreição

Definição: A·ná·sta·sis, a palavra grega traduzida por “ressurreição”, significa literalmente “ficar de pé de novo”, e refere-se a levantar-se da morte. A expressão mais completa “ressurreição dos (dentre os) mortos” é usada repetidas vezes nas Escrituras. (Mat. 22:31; Atos 4:2; 1 Cor. 15:12) Em hebraico é techiyáth ham·me·thím, que significa “revivificação dos mortos”. (Mat. 22:23, nota ao pé da página da edição com referências da NM em inglês.) A ressurreição envolve a reativação do padrão de vida da pessoa, padrão de vida este que Deus guarda em sua memória. Segundo a vontade de Deus para com o indivíduo, a pessoa será restaurada, quer num corpo humano, quer num corpo espiritual, e ainda assim conservará sua identidade pessoal, tendo a mesma personalidade e memórias que tinha quando morreu. A provisão da ressurreição dos mortos é uma expressão magnífica da bondade imerecida de Jeová; demonstra sua sabedoria e seu poder e é um meio pelo qual se cumprirá seu propósito original para com a terra.

É a ressurreição o reencontro de uma alma imaterial com o corpo físico?

Para que isso fosse possível, os humanos teriam de ter, naturalmente, uma alma imaterial que pudesse separar-se do corpo físico. A Bíblia não ensina isso. Tal idéia foi tomada da filosofia grega. O ensinamento bíblico a respeito da alma é apresentado nas páginas 32-35. Para evidência quanto à origem da crença da cristandade na alma imaterial, imortal, veja a página 36.

Foi Jesus ressuscitado num corpo de carne, e tem ele agora no céu um corpo assim?

1 Ped. 3:18: “Cristo morreu uma vez para sempre quanto aos pecados, um justo pelos injustos, a fim de conduzir-vos a Deus, sendo morto na carne, mas vivificado no espírito [“pelo Espírito”, Al; “no espírito”, IBB, BJ, PIB].” (Ao ser ressuscitado dentre os mortos, Jesus foi produzido com um corpo espiritual. No texto grego, as palavras “carne” e “espírito” são usadas para contrastar uma da outra e ambas estão no dativo; portanto, se um tradutor verter “pelo espírito”, deverá também coerentemente dizer “pela carne”, ou, se disser “na carne”, deverá também dizer “no espírito”.)

Atos 10:40, 41: “Deus ressuscitou a Este [Jesus Cristo] no terceiro dia e lhe concedeu tornar-se manifesto, não a todo o povo, mas a testemunhas designadas de antemão por Deus.” (Por que é que outros não o viram também? Porque ele era criatura espiritual, e, quando materializou corpos carnais para se tornar visível, como anjos no passado haviam feito, ele fez isso só na presença de seus discípulos.)

1 Cor. 15:45: “Até mesmo está escrito assim: ‘O primeiro homem, Adão, tornou-se alma vivente.’ O último Adão [Jesus Cristo, que era perfeito como Adão o era ao ser criado] tornou-se espírito vivificante.”

Qual é o significado de Lucas 24:36-39 com respeito ao corpo em que Jesus foi ressuscitado?

Luc. 24:36-39: “Enquanto [os discípulos] ainda falavam destas coisas, ele mesmo estava em pé no meio deles e disse-lhes: ‘Paz seja convosco.’ Mas, visto que estavam apavorados e tinham ficado amedrontados, imaginavam ver um espírito. De modo que lhes disse: ‘Por que estais aflitos e por que é que se levantam dúvidas nos vossos corações? Vede minhas mãos e meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, porque um espírito não tem carne e ossos assim como observais que eu tenho.’”

Os humanos não podem ver espíritos, de modo que os discípulos evidentemente pensaram que estavam vendo uma aparição ou uma visão. (Compare com Marcos 6:49, 50.) Jesus lhes assegurou que não se tratava de uma aparição; eles podiam ver seu corpo de carne e podiam tocar nele, sentindo os ossos; também comeu na presença deles. Similarmente, anjos no passado se materializaram para serem vistos pelos homens; comeram e alguns até mesmo se casaram e geraram filhos. (Gên. 6:4; 19:1-3) Depois de ressuscitar, Jesus não apareceu sempre no mesmo corpo de carne (talvez para reforçar na mente deles o fato de que ele era então espírito), e, assim, ele não foi reconhecido imediatamente nem mesmo pelos seus associados íntimos. (João 20:14, 15; 21:4-7) Entretanto, aparecendo-lhes repetidamente em corpos materializados e, daí, dizendo e fazendo coisas que eles identificariam com o Jesus que eles conheciam, fortaleceu-lhes a fé no fato de que ele havia realmente ressuscitado dentre os mortos.

Se os discípulos tivessem visto Jesus realmente no corpo que ele possui agora no céu, Paulo não teria mencionado mais tarde que o glorificado Cristo é “a representação exata do seu próprio ser [de Deus]”, porque Deus é Espírito e nunca foi visto em carne. — Heb. 1:3; compare com 1 Timóteo 6:16.

A leitura dos relatos dos aparecimentos de Jesus após a ressurreição nos ajuda a entendê-los corretamente, se guardarmos em mente 1 Pedro 3:18 e 1 Coríntios 15:45, citados nas páginas 324, 325.

Quem será ressuscitado para ter parte com Cristo na vida celestial, e o que farão eles ali?

Luc. 12:32: “Não temas, pequeno rebanho, porque aprouve a vosso Pai dar-vos o reino.” (Este não inclui todos os que exerceram fé; o número é limitado. Há uma finalidade para esse estar nos céus.)

Rev. 20:4, 6: “Eu vi tronos, e havia os que se assentavam neles, e foi-lhes dado poder para julgar. . . . Feliz e santo é todo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes a segunda morte não tem autoridade, mas serão sacerdotes de Deus e do Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos.”

Terão por fim os ressuscitados para a vida celestial corpos físicos glorificados no céu?

Fil. 3:20, 21: “O Senhor Jesus Cristo . . . remodelará o nosso corpo humilhado para ser conforme ao seu corpo glorioso, segundo a operação do poder que ele tem.” (Significa isso que é o corpo de carne que será finalmente glorificado nos céus? Ou significa que, em vez de terem um corpo humilde de carne, serão revestidos dum glorioso corpo espiritual, ao serem ressuscitados para a vida celestial? Deixemos que o seguinte texto bíblico responda.)

1 Cor. 15:40, 42-44, 47-50: “Há corpos celestes e corpos terrestres; mas a glória dos corpos celestes é de uma sorte e a dos corpos terrestres é de sorte diferente. Assim também é a ressurreição dos mortos. . . . Semeia-se corpo físico, é levantado corpo espiritual. . . . O primeiro homem [Adão] é da terra e feito de pó; o segundo homem [Jesus Cristo] é do céu. Assim como é aquele feito de pó, assim são também esses feitos de pó; e assim como é o celestial, assim são também esses que são celestiais. E assim como temos levado a imagem daquele feito de pó, levaremos também a imagem do celestial. No entanto, digo isso, irmãos, que carne e sangue não podem herdar o reino de Deus.” (Não há margem aqui para misturar as duas sortes de corpos ou para levar para o céu um corpo carnal.)

Como demonstrou Jesus o que significará a ressurreição para a humanidade em geral?

João 11:11, 14-44: “[Jesus disse a seus discípulos:] ‘Lázaro, nosso amigo, foi descansar, mas eu viajo para lá para o despertar do sono.’ . . . Jesus disse-lhes francamente: ‘Lázaro morreu.’ . . . Quando Jesus chegou, achou que [Lázaro] já estava quatro dias no túmulo memorial. . . . Jesus disse-lhe [a Marta, irmã de Lázaro]: ‘Eu sou a ressurreição e a vida.’ . . . Clamou com voz alta: ‘Lázaro, vem para fora!’ O homem que estivera morto saiu com os pés e as mãos amarrados com faixas, e o seu semblante enrolado num pano. Jesus disse-lhes: ‘Soltai-o e deixai-o ir.’” (Se Jesus tivesse chamado a Lázaro de volta de um estado de beatitude numa outra vida, não teria sido nenhuma bondade. Mas o fato de Jesus levantar a Lázaro de um estado sem vida foi bondade tanto para ele como para suas irmãs. Lázaro passou a ser novamente um humano vivente.)

Mar. 5:35-42: “Vieram alguns homens da casa do presidente da sinagoga e disseram: ‘Tua filha morreu! Por que incomodar ainda o instrutor?’ Mas Jesus, ouvindo a palavra falada, disse ao presidente da sinagoga: ‘Não temas, apenas exerce fé.’ . . . Tomou consigo o pai e a mãe da menina, e os com ele, e entrou onde estava a menina. E, tomando a mão da menina, disse-lhe: ‘Talita cumi’, que, traduzido, significa: ‘Donzela, digo-te: Levanta-te!’ E a donzela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos de idade. E eles ficaram logo fora de si com grande êxtase.” (Quando a ressurreição geral ocorrer na terra durante o Reino milenar de Cristo, sem dúvida muitos milhões de pais e sua descendência ficarão extremamente alegres quando forem reunidos.)

Que perspectivas para os que serão ressuscitados para a vida na terra?

Luc. 23:43: “Deveras, eu te digo hoje: Estarás comigo no Paraíso.” (A terra inteira será transformada num paraíso sob o domínio de Cristo qual Rei.)

Rev. 20:12, 13: “Eu vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono, e abriram-se rolos. Mas outro rolo foi aberto; é o rolo da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações. . . . Foram julgados individualmente segundo as suas ações.” (O fato de se abrirem rolos indica evidentemente um tempo de instrução sobre a vontade divina, em harmonia com Isaías 26:9. O fato de se abrir “o rolo da vida” indica que há oportunidade aos que seguem tal instrução para que seus nomes sejam escritos nesse rolo. Estará diante deles a perspectiva de vida eterna em perfeição humana.)

Veja também as páginas 299-304, sob “Reino”.

Serão alguns ressuscitados simplesmente para que se pronuncie julgamento contra eles, sendo em seguida entregues à segunda morte?

Qual é o significado de João 5:28, 29? Diz ali: “Todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz e sairão, os que fizeram boas coisas, para uma ressurreição de vida, os que praticaram coisas ruins, para uma ressurreição de julgamento.” O que Jesus disse aqui precisa ser entendido à luz da revelação posterior que ele deu a João. (Veja Revelação 20:12, 13, citado acima.) Tanto os que fizeram boas coisas como os que antes fizeram coisas ruins serão “julgados individualmente segundo as suas ações”. Que ações? Se adotássemos a idéia de que as pessoas seriam condenadas à base de ações na sua vida passada, isso não se harmonizaria com Romanos 6:7: “Aquele que morreu foi absolvido do seu pecado.” Tampouco haveria lógica em ressuscitar pessoas simplesmente para serem destruídas. Portanto, em João 5:28, 29a, Jesus estava indicando a ressurreição no futuro; daí, no restante do versículo 29 de Jo. 5, disse qual seria o resultado depois de serem soerguidas à perfeição humana e de serem julgadas.

Que indica Revelação 20:4-6 quanto aos que serão ressuscitados na terra?

Rev. 20:4-6: “Eu vi tronos, e havia os que se assentavam neles, e foi-lhes dado poder para julgar. Sim, vi as almas dos executados com o machado, pelo testemunho que deram de Jesus e por terem falado a respeito de Deus . . . E passaram a viver e reinaram com o Cristo por mil anos. (Os demais mortos não passaram a viver até terem terminado os mil anos.) Esta é a primeira ressurreição. Feliz e santo é todo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes a segunda morte não tem autoridade, mas serão sacerdotes de Deus e do Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos.”

Usam-se parêntesis na NM e CBC para ajudar o leitor a relacionar o que segue à declaração parentética com o que a precede. Conforme claramente expresso, não são “os demais mortos” que participam da primeira ressurreição. Essa ressurreição é para os que reinarão com Cristo por mil anos. Significa isso que não haverá outros dentre a humanidade que viverão durante os mil anos a não ser os que reinarão no céu com Cristo? Não; porque se esse fosse o caso, significaria que não haveria ninguém a favor de quem serviriam quais sacerdotes, e seu domínio seria um globo desolado.

Quem são então “os demais mortos”? São todos os dentre a humanidade que morreram em resultado do pecado adâmico e os que, embora sobreviventes da grande tribulação ou os que venham a nascer durante o Milênio, precisam ser livrados dos efeitos mortíferos de tal pecado. — Compare com Efésios 2:1.

Em que sentido não ‘passam a viver’ até terem terminado os mil anos? Isso não significa sua ressurreição. Esta expressão “passaram a viver” envolve muito mais do que meramente existirem quais humanos. Significa atingirem a perfeição humana, livre de todos os efeitos do pecado adâmico. Note que a referência a isso no versículo 5 de Rev. 20 ocorre imediatamente após o versículo precedente dizer que os que estarão no céu “passaram a viver”. No caso deles, significa uma vida livre de todos os efeitos do pecado; são até mesmo favorecidos de modo especial com a imortalidade. (1 Cor. 15:54) Com respeito aos “demais mortos”, deve, pois, significar a plenitude da vida em perfeição humana.

Quem são os que estarão incluídos na ressurreição terrestre?

João 5:28, 29: “Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz [a voz de Jesus] e sairão.” (A palavra grega traduzida “túmulos memoriais” não é o plural de tá·fos [sepultura, um lugar individual de sepultamento] nem de haí·des [sepulcro de modo geral, o sepulcro comum da humanidade morta], mas é o plural no dativo de mne·meí·on [túmulo recordativo, memorial]. Coloca ênfase na preservação da memória da pessoa falecida. Não aqueles cuja memória foi apagada na Geena por causa de pecados imperdoáveis, mas as pessoas lembradas por Deus serão ressuscitadas com a oportunidade de vida eterna. — Mat. 10:28; Mar. 3:29; Heb. 10:26; Mal. 3:16.)

Atos 24:15: “Eu tenho esperança para com Deus . . . de que há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos.” (Tanto os que viveram em harmonia com os caminhos justos de Deus como as pessoas que, por ignorância, fizeram coisas injustas irão ressuscitar. A Bíblia não responde a todas as nossas perguntas sobre se certos indivíduos específicos que morreram vão ressuscitar. Mas podemos confiar que Deus, que conhece todos os fatos, agirá de modo imparcial, usando de justiça temperada com misericórdia, que não desconsidera suas normas justas. Compare com Gênesis 18:25.)

Rev. 20:13, 14: “O mar entregou os mortos nele, e a morte e o Hades entregaram os mortos neles, e foram julgados individualmente segundo as suas ações. E a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo. Este significa a segunda morte, o lago de fogo.” (Portanto, aqueles cuja morte foi causada pelo pecado adâmico serão ressuscitados, quer tenham sido enterrados no mar, quer no Hades, o túmulo comum terrestre da humanidade morta.)

Veja também o tópico geral “Salvação”.

Se bilhões hão de ressuscitar dentre os mortos, onde morarão todos eles?

Uma estimativa muito liberal do número de pessoas que já viveram na terra é de 20.000.000.000. Conforme vimos, nem todos esses serão ressuscitados. Mas, mesmo supondo que todos o fossem, haveria amplo espaço. A superfície da terra é atualmente de cerca de 147.600.000 quilômetros quadrados de terra. Se se reservasse metade disso para outros fins, restariam ainda cerca de 3.700 metros quadrados por pessoa, que podem prover mais do que o suficiente alimento. A raiz do problema da atual falta de alimento não é que a terra não possa produzir suficiente alimento, mas, antes, é a rivalidade política e a ganância comercial.