Capítulo 4

Por que respeitar os que têm autoridade?

“Honrai a homens de toda sorte.” 1 PEDRO 2:17.

JÁ OBSERVOU a reação de uma criança quando o pai lhe pede algo que ela não quer fazer? Ela se confronta com um dilema, que fica bem evidente no seu rosto. A criança ouve a voz do pai e sabe que deve respeitar sua autoridade. Mas nesse caso ela simplesmente não quer obedecer. Esse conflito ilustra uma verdade com que todos nós nos deparamos.

2 Respeitar os que têm autoridade nem sempre é fácil. Acha difícil às vezes respeitar os que têm certa autoridade sobre você? Em caso afirmativo, você não é o único. Nunca houve uma época em que o desrespeito pela autoridade fosse tão grande como hoje. Ainda assim, a Bíblia diz que precisamos mostrar respeito aos que estão em posição de autoridade. (Provérbios 24:21) É importante fazer isso se queremos nos manter no amor de Deus. Naturalmente, então, surgem algumas perguntas. Por que respeitar os que têm autoridade pode ser tão difícil para nós? Por que Jeová pede que façamos isso, e o que nos ajudará a obedecer? Por fim, de que maneiras podemos mostrar respeito pela autoridade?

POR QUE É DIFÍCIL

3 Consideremos brevemente dois motivos pelos quais pode ser muito difícil respeitar os que têm autoridade. Primeiro, nós somos imperfeitos; segundo, os que têm autoridade também são imperfeitos. O pecado e a imperfeição tiveram início muito tempo atrás, no jardim do Éden, quando Adão e Eva se rebelaram contra a autoridade de Deus. Assim, o pecado começou com uma rebelião. É por isso que nós hoje também temos a tendência de nos rebelar. — Gênesis 2:15-17; 3:1-7; Salmo 51:5; Romanos 5:12.

4 Por causa de nossa natureza pecaminosa, é fácil manifestarmos orgulho e arrogância; por outro lado, precisamos nos esforçar muito para cultivar e manter uma qualidade rara — a humildade. Mesmo depois de anos de serviço fiel a Deus, podemos ceder à obstinação e ao orgulho. Veja o caso de Corá, por exemplo. Ele enfrentou fielmente muitas provações junto com o povo de Jeová. Ainda assim, ele queria mais autoridade e presunçosamente liderou uma rebelião contra Moisés, o homem mais manso que vivia na época. (Números 12:3; 16:1-3) Pense também no Rei Uzias que, levado pelo orgulho, entrou no templo de Jeová para realizar um serviço sagrado que era prestado exclusivamente pelos sacerdotes. (2 Crônicas 26:16-21) Esses homens pagaram caro por sua rebeldia. Mas tais exemplos negativos servem de bons lembretes para todos nós. Precisamos combater o orgulho, que torna difícil respeitarmos a autoridade.

5 Ao mesmo tempo, humanos imperfeitos em posição de poder contribuem muito para minar o respeito pela autoridade. Muitos são duros, cruéis e tirânicos. De fato, a história humana está repleta de relatos sobre o abuso de poder. (Eclesiastes 8:9) Por exemplo, Saul era um homem bom e humilde quando Jeová o escolheu para ser rei. No entanto, ele foi vencido pelo orgulho e pelo ciúme, o que o levou a perseguir o fiel Davi. (1 Samuel 9:20, 21; 10:20-22; 18:7-11) Davi mais tarde se tornou um dos melhores reis da nação de Israel. Mas ele usou mal seu poder quando roubou a esposa de Urias, o hitita, e enviou esse homem inocente para a frente de batalha para ser morto. (2 Samuel 11:1-17) Vemos assim que a imperfeição faz com que as pessoas tenham dificuldade em usar bem o poder. E quando os que estão no poder não respeitam a Jeová, a situação é ainda pior. Depois de descrever o modo como alguns papas católicos instigaram grandes perseguições, um estadista britânico escreveu: “O poder tende a corromper, e o poder total corrompe totalmente.” Com esse registro em mente, consideremos a pergunta: por que respeitar os que têm autoridade?

POR QUE RESPEITAR OS QUE TÊM AUTORIDADE?

6 O principal motivo para respeitarmos a autoridade é o amor — amor a Jeová, a nosso próximo e a nós mesmos. Visto que amamos a Jeová acima de todas as outras coisas, queremos alegrar seu coração. (Provérbios 27:11; Marcos 12:29, 30) Sabemos que sua soberania, seu direito de governar o Universo, tem sido questionada na Terra desde a rebelião no Éden, e que a maioria da humanidade toma o lado de Satanás e não quer ser governada por Jeová. Ficamos felizes de tomar nossa posição ao lado de Jeová. Quando lemos as magníficas palavras de Revelação (Apocalipse) 4:11, sentimo-nos comovidos. Fica bem evidente para nós que Jeová é o Governante legítimo do Universo. Apoiamos sua soberania e aceitamos ser governados por ele no nosso dia a dia.

7 Respeitar a autoridade de Jeová envolve obediência e algo mais. Obedecemos prontamente a ele porque o amamos. Mas haverá ocasiões em que será muito difícil obedecer. Quando isso acontecer, precisaremos aprender a ser submissos, assim como a criança mencionada no início deste capítulo. Sabemos que Jesus se submeteu à vontade de seu Pai mesmo quando isso parecia muito difícil. Ele disse a seu Pai: “Ocorra, não a minha vontade, mas a tua.” — Lucas 22:42.

8 É claro que hoje Jeová não fala conosco individualmente; ele usa sua Palavra e seus representantes na Terra. Assim, na maioria das vezes mostramos submissão à autoridade de Jeová por respeitar os humanos a quem ele deu autoridade, ou os que ele permite que continuem em posição de autoridade. Se nos rebelássemos contra essas pessoas — por exemplo, rejeitando seus conselhos e correções baseados na Bíblia —, estaríamos ofendendo a Deus. Quando os israelitas se queixaram de Moisés e se rebelaram contra ele, Jeová encarou o que eles fizeram como feito a ele mesmo. — Números 14:26, 27.

9 Mostramos também respeito pela autoridade porque amamos o próximo. De que maneira? Bem, imagine que você seja um soldado num exército. Para que o exército tenha um bom desempenho, e até mesmo sobreviva, cada soldado precisa cooperar com seus superiores, obedecê-los e respeitá-los. Se você minasse a estrutura dessa organização por se rebelar, poderia colocar em perigo todos os outros soldados. É verdade que exércitos humanos causam muita destruição no mundo de hoje. Mas Jeová tem exércitos que visam apenas o bem. A Bíblia se refere centenas de vezes a Deus como “Jeová dos exércitos”. (1 Samuel 1:3) Ele é o Comandante de um grande regimento de poderosas criaturas espirituais. Às vezes, Jeová compara seus servos terrestres a um exército. (Salmo 68:11; Ezequiel 37:1-10) Se nos rebelarmos contra os humanos a quem Jeová designa para exercer autoridade sobre nós, não estaremos pondo em risco nossos companheiros, que também servem como soldados em sentido espiritual? Quando um cristão se rebela contra os anciãos, outros na congregação também podem sofrer. (1 Coríntios 12:14, 25, 26) Quando um filho se rebela, toda a família talvez sofra. Assim, mostramos amor ao próximo por cultivar um espírito respeitoso e cooperador.

10 Também respeitamos a autoridade porque nós mesmos somos beneficiados. Quando Jeová pede que respeitemos a autoridade, ele geralmente menciona os benefícios que teremos por fazer isso. Por exemplo, ele diz para os filhos obedecer aos pais a fim de ter uma vida longa e feliz. (Deuteronômio 5:16; Efésios 6:2, 3) Ele nos diz para respeitar os anciãos, porque deixar de fazer isso nos prejudicará espiritualmente. (Hebreus 13:7, 17) E ele nos diz para obedecer aos governos deste mundo para nossa própria proteção. — Romanos 13:4.

11 Não concorda que saber o motivo pelo qual Jeová deseja que sejamos obedientes nos ajuda a respeitar a autoridade? Vejamos, então, como podemos mostrar respeito pela autoridade em três importantes áreas da vida.

RESPEITO NA FAMÍLIA

12 Foi Jeová quem criou a instituição da família. Visto que ele é o Deus de ordem, organizou a família para que funcione bem. (1 Coríntios 14:33) Ele dá ao marido e pai a autoridade de atuar como cabeça da família. O marido mostra respeito pelo seu Cabeça, Cristo Jesus, por imitar a maneira de ele exercer a chefia sobre a congregação. (Efésios 5:23) Assim, o marido não deve negligenciar sua responsabilidade, mas assumi-la como homem; não deve ser autoritário nem duro, mas amoroso, razoável e bondoso. Ele tem em mente que sua autoridade é relativa — está sempre sujeita à autoridade de Jeová.

13 Uma esposa e mãe deve ser ajudadora, ou complemento, do marido. Ela também tem autoridade na família, pois a Bíblia fala da “lei de tua mãe”. (Provérbios 1:8) É claro que a autoridade dela é subordinada à do marido. A esposa cristã mostra respeito pelo marido por ajudá-lo a cumprir seu papel como cabeça da família. Ela não o rebaixa e não procura controlá-lo nem tomar sua posição. Em vez disso, ela é apoiadora e cooperadora. Quando não concorda com as decisões dele, ela talvez expresse respeitosamente sua opinião, mas continua submissa. Se o marido for descrente, ela talvez enfrente situações difíceis, mas por continuar submissa poderá fazer com que ele venha a adorar a Jeová. — 1 Pedro 3:1.

14 Quando os filhos obedecem ao pai e à mãe, agradam o coração de Jeová e ao mesmo tempo honram e alegram seus pais. (Provérbios 10:1) Em famílias uniparentais, os filhos seguem o mesmo princípio de obediência, sabendo que seu pai ou sua mãe precisa mais ainda de seu apoio e cooperação. Há muita paz e alegria nas famílias em que todos os membros cumprem o papel que Deus lhes deu. Isso glorifica a Jeová Deus, o Originador de todas as famílias. — Efésios 3:14, 15.

RESPEITO NA CONGREGAÇÃO

15 Jeová designou seu Filho como Governante sobre a congregação cristã. (Colossenses 1:13) Jesus, por sua vez, designou seu “escravo fiel e discreto” para cuidar dos interesses espirituais do povo de Deus na Terra. (Mateus 24:45-47) O Corpo Governante das Testemunhas de Jeová representa a classe do “escravo”. Assim como no primeiro século, os anciãos hoje recebem instruções e conselhos do Corpo Governante, quer diretamente, quer por meio de seus representantes, como os superintendentes viajantes. Quando respeitamos a autoridade dos anciãos, estamos obedecendo a Jeová. — Hebreus 13:17.

16 Os anciãos e os servos ministeriais não são perfeitos. Eles têm falhas, assim como todos nós temos. No entanto, os anciãos são “dádivas em homens” que Jeová proveu para ajudar a congregação a permanecer espiritualmente forte. (Efésios 4:8) Eles são designados por meio do espírito santo. (Atos 20:28) Em que sentido? Antes de serem designados, esses homens precisam satisfazer os requisitos registrados na Palavra de Deus, que foi inspirada pelo espírito santo. (1 Timóteo 3:1-7, 12; Tito 1:5-9) Além disso, os anciãos que avaliam as qualificações de um irmão oram com sinceridade pedindo a orientação do espírito santo.

17 Na congregação, pode haver ocasiões em que não há anciãos ou servos ministeriais para realizar determinada tarefa que normalmente é designada a eles, como dirigir uma reunião para o serviço de campo. Nesses casos, outros irmãos batizados podem cuidar da tarefa. Se não houver homens disponíveis, irmãs qualificadas poderão realizá-la. Mas, quando uma mulher desempenha um papel que normalmente cabe a um irmão batizado, ela cobre a cabeça.* (1 Coríntios 11:3-10) Essa exigência não desmerece as mulheres. Em vez disso, dá a elas a oportunidade de, tanto na família como na congregação, mostrar respeito pelo princípio da chefia estabelecido por Jeová.

RESPEITO PELAS AUTORIDADES GOVERNAMENTAIS E OUTRAS

18 Os cristãos verdadeiros obedecem conscienciosamente o princípio descrito em Romanos 13:1-7. Ao ler essa passagem, poderá ver que as “autoridades superiores” mencionadas ali são os governos humanos. Enquanto Jeová permite sua existência, esses governos realizam funções importantes, mantendo certa medida de ordem e prestando serviços necessários. Mostramos respeito por essas autoridades por acatar as leis. Certificamo-nos de pagar os devidos impostos, de preencher corretamente quaisquer formulários ou documentos que o governo talvez exija e de cumprir com qualquer lei que diz respeito a nós, nossa família, nossos negócios e nossos bens. Mas não nos submetemos a essas autoridades quando pedem que desobedeçamos a Deus. Nesse caso, adotamos a mesma atitude dos apóstolos, que disseram: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:28, 29; veja o quadro “À autoridade de quem devo obedecer?”, na página 42.

19 Também mostramos respeito pelas autoridades pelo modo como tratamos seus representantes. Às vezes temos de lidar diretamente com funcionários do governo. O apóstolo Paulo compareceu perante governantes, como o Rei Herodes Agripa e o Governador Festo. Esses homens tinham sérias falhas de caráter, mas Paulo os tratou com respeito. (Atos 26:2, 25) Imitamos o exemplo de Paulo, quer a pessoa seja um governante influente, quer um policial da localidade. Na escola, os jovens cristãos procuram mostrar esse mesmo respeito pelos professores e por autoridades e funcionários da escola. É claro que não respeitamos apenas os que são favoráveis às nossas crenças; também tratamos com respeito os que se opõem às Testemunhas de Jeová. Na verdade, todas as pessoas que não compartilham nossas crenças devem poder ver que somos respeitosos. — Romanos 12:17, 18; 1 Pedro 3:15.

20 Sejamos sempre respeitosos. O apóstolo Pedro escreveu: “Honrai a homens de toda sorte.” (1 Pedro 2:17) Quando as pessoas percebem que realmente as respeitamos, isso pode causar uma boa impressão nelas. Lembre-se, o respeito é algo cada vez mais raro no mundo de hoje. Assim, mostrar essa qualidade é uma maneira de acatarmos o mandamento de Jesus: “Deixai brilhar a vossa luz perante os homens, para que vejam as vossas obras excelentes e deem glória ao vosso Pai, que está nos céus.” — Mateus 5:16.

21 Neste mundo em trevas, pessoas de bom coração sentem-se atraídas à luz espiritual. Assim, mostrar respeito na família, na congregação e nos tratos com as autoridades pode atrair alguns e motivá-los a andar na luz conosco. Que perspectiva maravilhosa! Mas, mesmo que isso não aconteça, uma coisa é certa: nosso respeito pelas pessoas agrada a Jeová Deus e nos ajuda a permanecer no seu amor. Poderia haver bênção melhor do que essa?

[Nota(s) de rodapé]

No Apêndice, nas páginas 209-212, são analisadas algumas maneiras práticas de aplicar esse princípio.

[Perguntas de Estudo]

1, 2. (a) Quando se trata de respeitar autoridade, que conflito enfrentamos? (b) Que perguntas analisaremos?

3, 4. Como tiveram início o pecado e a imperfeição, e por que nossa natureza pecaminosa torna difícil respeitarmos a autoridade?

 5. Como humanos imperfeitos têm abusado de sua autoridade?

6, 7. (a) O que o amor a Jeová nos motiva a fazer, e por quê? (b) O que está envolvido em sermos submissos?

 8. (a) A submissão à autoridade de Jeová hoje muitas vezes envolve o quê, e como podemos saber o ponto de vista dele sobre isso? (b) O que pode nos ajudar a escutar o conselho e aceitar a disciplina? (Veja o quadro nas páginas 46-47.)

 9. Por que o amor ao próximo nos motivará a respeitar a autoridade? Dê um exemplo.

10, 11. Como o desejo correto de nos beneficiar nos motiva a obedecer à autoridade?

12. Que papel na família Jeová designou ao marido e pai, e como um homem pode cumprir esse papel?

13. Como uma esposa e mãe pode cumprir seu papel na família de uma forma que agrade a Jeová?

14. Como os filhos podem alegrar a seus pais e a Jeová?

15. (a) Como podemos mostrar na congregação que respeitamos a autoridade de Jeová? (b) Que princípios podem nos ajudar a obedecer aos irmãos da dianteira? (Veja o quadro nas páginas 48-49.)

16. Em que sentido os anciãos são designados pelo espírito santo?

17. Por que as mulheres cristãs às vezes cobrem a cabeça ao realizar determinadas tarefas na congregação?

18, 19. (a) Como você explicaria o princípio descrito em Romanos 13:1-7? (b) Como mostramos respeito pelas autoridades governamentais?

20, 21. Mostrar o devido respeito pela autoridade resulta em que bênçãos?

[Quadro na página 42]

À AUTORIDADE DE QUEM DEVO OBEDECER?

Princípio: “Jeová é o nosso Juiz, Jeová é o nosso Legislador, Jeová é o nosso Rei.” — Isaías 33:22.

Pergunte-se:

▪ O que eu faria se me pedissem para violar os padrões de Jeová? — Mateus 22:37-39; 26:52; João 18:36.

▪ O que eu faria se me mandassem deixar de obedecer aos mandamentos de Jeová? — Atos 5:27-29; Hebreus 10:24, 25.

▪ O que pode me ajudar a querer obedecer às pessoas em posição de autoridade? — Romanos 13:1-4; 1 Coríntios 11:3; Efésios 6:1-3.

[Quadro nas páginas 46, 47]

‘ESCUTE O CONSELHO E ACEITE A DISCIPLINA’

  O espírito de Satanás — sua atitude rebelde e contenciosa — domina o mundo atual. Assim, a Bíblia refere-se a Satanás como “o governante da autoridade do ar” e fala do “espírito [atitude] que agora opera nos filhos da desobediência”. (Efésios 2:2) Muitos hoje não querem estar sob nenhuma autoridade. Infelizmente, esse espírito de independência tem afetado até mesmo alguns na congregação cristã. Por exemplo, um ancião talvez dê um conselho bondoso sobre os perigos do entretenimento imoral ou violento, mas alguns talvez não aceitem o conselho ou até mesmo fiquem ressentidos. Cada um de nós precisa acatar as palavras de Provérbios 19:20: “Escuta o conselho e aceita a disciplina, para que te tornes sábio no teu futuro.”

  O que pode ajudar-nos a fazer isso? Vejamos três motivos comuns por que as pessoas não aceitam conselhos ou disciplina, e então verifiquemos o que a Bíblia diz sobre o assunto.

▪ “Não concordo com o conselho.” Podemos achar que o conselho não se aplica ao nosso caso ou que a pessoa que o deu não sabe tudo o que está envolvido. Nossa primeira reação talvez seja até mesmo desprezar o conselho. (Hebreus 12:5) Visto que todos nós somos imperfeitos, será que não é o nosso ponto de vista que precisa ser ajustado? (Provérbios 19:3) Será que não houve nenhum motivo válido para a pessoa dar esse conselho? Se houve, é nesse motivo que devemos nos concentrar. A Palavra de Deus nos aconselha: “Agarra a disciplina; não a largues. Resguarda-a, pois ela mesma é a tua vida.” — Provérbios 4:13.

▪  “Não gostei do jeito que o conselho foi dado.” É verdade que a Bíblia contém normas elevadas sobre como dar conselhos. (Gálatas 6:1) Mas ela também diz: “Todos pecaram e não atingem a glória de Deus.” (Romanos 3:23) Só haveria uma maneira de recebermos conselhos perfeitos dados de forma correta: se os recebêssemos de uma pessoa perfeita. (Tiago 3:2) Jeová usa pessoas imperfeitas para nos aconselhar, por isso é importante evitar nos concentrar no modo como o conselho é dado. Em vez disso, devemos dar atenção ao que é dito e orar pedindo orientação para saber aplicar o conselho.

▪ “Quem é ele para me dar conselhos?” Se achamos que as falhas da pessoa invalidam seus conselhos, devemos nos lembrar dos pontos citados acima. Além disso, se achamos que não precisamos de conselhos por causa de nossa idade, experiência de vida ou responsabilidades na congregação, devemos ajustar nossa maneira de pensar. No Israel antigo, o rei tinha grandes responsabilidades. Mesmo assim, ele tinha de aceitar conselhos de profetas, sacerdotes e outras pessoas entre seus súditos. (2 Samuel 12:1-13; 2 Crônicas 26:16-20) Hoje, a organização de Jeová designa homens imperfeitos para dar conselhos, e cristãos maduros aceitam e aplicam esses conselhos de bom grado. Se temos maiores responsabilidades ou experiência que outros, precisamos estar mais atentos ainda à necessidade de sermos bons exemplos como pessoas razoáveis e humildes por aceitar conselhos. — 1 Timóteo 3:2, 3; Tito 3:2.

  É evidente que nenhum de nós é tão bom que não precise de conselhos. Assim, estejamos decididos a aceitar conselhos prontamente, a aplicá-los de forma obediente e a agradecer a Jeová de coração por essa dádiva que salva vidas. Os conselhos realmente são uma demonstração do amor de Jeová por nós, e queremos nos manter no Seu amor. — Hebreus 12:6-11.

[Quadro nas páginas 48, 49]

‘SEJA OBEDIENTE AOS QUE TOMAM A DIANTEIRA’

  No Israel antigo, havia grande necessidade de organização. Moisés não tinha condições de cuidar sozinho de milhões de pessoas que viajavam juntas num deserto perigoso. O que ele fez? “Moisés passou a escolher homens capacitados dentre todo o Israel e a dar-lhes posições como cabeças sobre o povo, como chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinquenta e chefes de dez.” — Êxodo 18:25.

  Na congregação cristã hoje, também há necessidade de organização. É por isso que para um grupo de serviço de campo há um superintendente; para uma congregação, anciãos; para um grupo de congregações, um superintendente de circuito; para um grupo de circuitos, um superintendente de distrito; e para um país, uma Comissão do País ou uma Comissão de Filial. Essa organização permite que cada homem que serve como pastor dê atenção às ovelhas de Jeová que estão sob seus cuidados. Esses pastores têm de prestar contas a Jeová e a Cristo. — Atos 20:28.

  Essa maneira de organizar as coisas exige que todos nós sejamos obedientes e submissos. Jamais queremos ter a atitude de Diótrefes, que não respeitava os irmãos que na época tomavam a liderança. (3 João 9, 10) Em vez disso, queremos acatar as palavras do apóstolo Paulo, que escreveu: “Sede obedientes aos que tomam a dianteira entre vós e sede submissos, pois vigiam sobre as vossas almas como quem há de prestar contas; para que façam isso com alegria e não com suspiros, porque isso vos seria prejudicial.” (Hebreus 13:17) Alguns obedecem quando concordam com a orientação dos que estão na liderança, mas recusam-se a ser submissos quando não concordam com a orientação ou não entendem por que ela foi dada. Lembre-se, porém, de que ser submissos pode incluir a ideia de obedecer mesmo quando isso vai contra nossa vontade. Cada um de nós deve se perguntar então: ‘Sou obediente e submisso aos irmãos da liderança?’

  É claro que a Palavra de Deus não especifica cada medida ou procedimento necessários para o funcionamento da congregação. Mas ela diz: “Que todas as coisas ocorram decentemente e por arranjo.” (1 Coríntios 14:40) O Corpo Governante segue essa orientação por instituir vários procedimentos e diretrizes úteis que garantem que a congregação funcione bem e de forma ordeira. Homens cristãos responsáveis fazem a sua parte por dar bom exemplo de obediência à medida que seguem esses procedimentos. Também são ‘razoáveis, prontos para obedecer’ aos que estão em posição de supervisão. (Tiago 3:17) Assim, cada grupo, congregação, circuito, distrito e país é abençoado com um corpo unido e ordeiro, formado por pessoas de fé que glorificam o Deus feliz. — 1 Coríntios 14:33; 1 Timóteo 1:11.

  Por outro lado, as palavras de Paulo em Hebreus 13:17 também mostram por que desobedecer é prejudicial. Pode fazer com que os irmãos em posição de responsabilidade façam seu trabalho “com suspiros”. O que devia ser considerado um privilégio de serviço sagrado pode parecer um fardo quando um irmão tem de lidar com a falta de cooperação e um espírito de rebeldia no rebanho. Ao mesmo tempo, “isso vos seria prejudicial”, isto é, toda a congregação ficaria prejudicada. Naturalmente, quando alguém se recusa a se submeter à ordem teocrática, ele é prejudicado ainda de outra maneira. Se ele é orgulhoso demais para ser submisso, isso prejudica sua espiritualidade e faz com que se afaste aos poucos de seu Pai celestial. (Salmo 138:6) Estejamos, então, determinados a sempre ser obedientes e submissos.

[Fotos nas páginas 40, 41]

O pai cristão imita a maneira de Cristo exercer a chefia