Discípulo

Alguém ensinado, aprendiz, aluno. A palavra hebraica para discípulo (lim·múdh) refere-se basicamente a alguém que aprende, é ensinado ou é treinado. (Veja Is 8:16 n.) A palavra aparentada mal·mádh denota uma “aguilhada” usada para treinar gado. (Jz 3:31; veja Os 10:11.) A palavra grega ma·the·tés (discípulo) denota primariamente alguém que fixa sua mente em alguma coisa.

Nas Escrituras Gregas lemos a respeito de discípulos de Jesus, de João, o Batizador, dos fariseus e de Moisés. (Mt 9:14; Lu 5:33; Jo 9:28) Os primeiros discípulos de Jesus procederam dentre os discípulos de João. (Jo 1:35-42) Os 12 escolhidos como apóstolos são chamados de discípulos em Mateus 10:1 e 11:1. Em sentido amplo, a palavra “discípulo” aplicava-se aos que criam nos ensinos de Jesus, pelo menos um deles sendo discípulo secreto. (Lu 6:17; Jo 19:38) No entanto, nos relatos evangélicos, ela usualmente se aplica ao corpo de seguidores íntimos de Jesus, que o acompanhavam nas suas viagens de pregação, sendo ensinados e instruídos por ele. O termo se aplica principalmente a todos os que não somente crêem nos ensinos de Cristo, mas também os seguem de perto. Têm de ser ensinados a “observar todas as coisas” ordenadas por Jesus. — Mt 28:19, 20.

O objetivo de Jesus ensinar seus discípulos era torná-los semelhantes a si mesmo, pregadores e instrutores das boas novas do Reino. “O aluno não está acima do seu instrutor, mas, todo aquele que for perfeitamente instruído será semelhante ao seu instrutor”, disse Jesus. (Lu 6:40) A eficácia do ensino de Cristo foi provada pela história posterior. Seus discípulos continuaram a obra que ele lhes ensinara e fizeram discípulos em toda a parte do Império Romano, na Ásia, na Europa e na África, antes do fim do primeiro século. Esta foi sua obra principal, em harmonia com a ordem de Jesus Cristo, em Mateus 28:19, 20.

Que os cristãos até hoje têm o dever de fazer discípulos de pessoas das nações é tornado claro pelas palavras finais da ordem de Jesus: “E eis que estou convosco todos os dias, até à terminação do sistema de coisas.” Não fazem discípulos para si mesmos, uma vez que os ensinados são, na realidade, discípulos de Jesus Cristo, pois seguem o ensino, não de homens, mas de Cristo. Por esta razão, por providência divina, os discípulos foram chamados de cristãos. (At 11:26) De modo similar, o profeta Isaías tinha discípulos, mas não para si mesmo. Os discípulos de Isaías conheciam a lei de Jeová, e o testemunho da lei residia com eles. — Is 8:16.

Ser discípulo de Jesus não significa adotar um modo folgado de vida. Jesus não agradava a si mesmo, mas seguia um caminho que envolvia sofrer a maior oposição da parte do Diabo e seus agentes. (Ro 15:3) Ele disse que seus discípulos têm de amá-lo mais do que aos parentes mais achegados deles na terra, e ainda mais do que a sua própria alma. Têm de amar seus condiscípulos cristãos. Têm de produzir os frutos do espírito. Quem deseja ser discípulo de Jesus tem de apanhar sua estaca de tortura e seguir o caminho percorrido por Cristo. Ao fazer isso, terá de “se despedir de todos os seus bens”, mas receberá muito mais coisas valiosas agora, com perseguições, e receberá a vida eterna. — Lu 14:26, 27, 33; Jo 13:35; 15:8; Mr 10:29, 30; veja CRISTÃO.