Éfode, I

Veste sacerdotal. O éfode especial a ser usado pelo sumo sacerdote acha-se descrito em pormenores nas instruções que Deus deu a Moisés. (ILUSTRAÇÃO, Vol. 1, p. 443) Era, pelo que parece, uma veste tipo avental, feita de “ouro, de linha azul e de lã tingida de roxo, de fibras carmíneas e de linho fino retorcido, trabalho de bordador”. Consistia em frente e costas, unidas nos ombros. Havia ‘nele’ um cinto do mesmo material, talvez preso ao éfode, amarrando-o em torno da cintura. Em engastes de ouro, nos ombros, havia duas pedras de ônix, cada uma gravada com os nomes de seis dos filhos de Israel. Dos engastes de ouro dessas pedras pendia o peitoral, por meio de correntes de ouro da feitura de corda. Dos cantos inferiores do peitoral, um cordel azul passava por argolas de ouro presas à extremidade inferior das ombreiras do éfode, pouco acima do cinto. O éfode, pelo que parece, ia até um pouco abaixo da cintura, talvez não chegando aos joelhos. — Êx 28:6-14, 22-28.

O sumo sacerdote usava o éfode por cima da túnica sem mangas, azul, chamada de ‘túnica do éfode’, a qual, por sua vez, ficava sobre a veste comprida de linho. (Êx 29:5) Este éfode não era usado em todas as ocasiões. Quando era necessário inquirir a Jeová sobre um assunto importante para a nação, o sumo sacerdote usava o éfode e o peitoral que continha o Urim e o Tumim. (Núm 27:21; 1Sa 28:6; Esd 2:63) No anual Dia da Expiação, depois de apresentar as ofertas pelo pecado, o sumo sacerdote se lavava e trocava de roupa, tirando as roupas impecavelmente brancas, e, pelo que parece, vestindo suas lindas vestes, inclusive o éfode, antes de oferecer as ofertas queimadas. — Le 16:23-25.

O éfode que Abiatar, o sacerdote, levou do santuário em Nobe para o acampamento de Davi era, provavelmente, o éfode do sumo sacerdote, visto que Doegue havia matado o pai de Abiatar, o sumo sacerdote Aimeleque, e os subsacerdotes que estavam com ele. (1Sa 22:16-20; 23:6) Davi fez com que Abiatar trouxesse o éfode para perto, a fim de poder inquirir a Jeová quanto ao proceder a seguir. — 1Sa 23:9-12; 30:7, 8.

Éfodes dos Subsacerdotes. Os subsacerdotes também usavam éfodes, embora o éfode do sumo sacerdote seja o único especificamente mencionado e descrito nas instruções de Jeová para a feitura das vestes sacerdotais. Apenas se especificaram para os filhos de Arão, que serviam quais subsacerdotes sob Arão, “vestes compridas”, “faixas”, “coberturas para a cabeça” e “calções”. (Êx 28:40-43) O uso do éfode pelos subsacerdotes parece ter sido um costume posterior. Samuel, embora não fosse subsacerdote, usava um éfode quando, como menino, ministrava a Jeová no santuário (1Sa 2:18), assim como também usavam os 85 sacerdotes mortos por Doegue, às ordens do Rei Saul. (1Sa 22:18) Estes éfodes talvez indicassem a posição sacerdotal de seu usuário, em vez de serem algo prescrito pela Lei, para ser usado no cumprimento dos seus deveres oficiais. O éfode do subsacerdote provavelmente tinha forma similar ao do sumo sacerdote, mas era feito de tecido branco simples, não bordado, e o linho de que era feito talvez não fosse da mesma qualidade daquele do éfode do sumo sacerdote. A palavra hebraica para “linho”, usada na descrição do éfode usado pelo jovem Samuel e pelos 85 sacerdotes, é badh, ao passo que shesh, “linho fino”, é a palavra usada para o éfode do sumo sacerdote. — Êx 28:6; 1Sa 2:18; 22:18.

Quando a arca do pacto foi levada para cima, a Jerusalém, para ser colocada no monte Sião, perto da sua casa, Davi, vestido com uma túnica sem mangas de tecido fino, usou sobre esta veste um éfode de linho, ao dançar perante Jeová, celebrando este evento alegre. — 2Sa 6:14; 1Cr 15:27.

O Éfode Feito por Gideão. Depois de Gideão ter derrotado os midianitas, ele usou o ouro tomado como despojo para fazer um éfode. (Jz 8:26, 27) Alguns têm objetado a esta declaração à base de que 1.700 siclos (19,4 kg) de ouro seriam muito mais do que um éfode requeria. Tem-se oferecido uma possível explicação, de que Gideão também fez uma imagem de ouro. Mas a palavra “éfode” não significa uma imagem. Gideão era um homem de fé em Deus. Ele não faria o que Jeroboão fez posteriormente, quando este liderou as dez tribos na adoração de imagens de bezerros. Gideão havia mostrado sua disposição para com a adoração de Jeová quando lhe foi dada a oportunidade de estabelecer uma dinastia governante sobre Israel. Ele rejeitou esta oferta, dizendo: “Jeová é quem dominará sobre vós.” (Jz 8:22, 23) É possível que grande parte do ouro tenha sido usada para pagar pelas pedras preciosas, e assim por diante, que possivelmente foram usadas no éfode. Quanto ao custo do éfode de Gideão, pode ter atingido o valor declarado (US$218.365 a taxas atuais), especialmente se foram usadas pedras preciosas para adorná-lo.

Apesar das boas intenções de Gideão, de comemorar a vitória que Jeová havia concedido a Israel, e de honrar a Deus, o éfode “serviu de laço para Gideão e para a sua casa”, porque os israelitas cometeram imoralidade espiritual por adorá-lo. (Jz 8:27) No entanto, a Bíblia não diz que o próprio Gideão o adorasse; pelo contrário, o apóstolo Paulo o cita especificamente como um dentre a ‘grande nuvem’ de fiéis testemunhas pré-cristãs de Jeová. — He 11:32, 12:1.

Uso Idólatra. Um caso do uso de um éfode em adoração idólatra é encontrado em Juízes, capítulos 17 e 18. Este éfode, feito por certo efraimita, foi primeiro usado por um de seus próprios filhos que atuava como sacerdote perante uma imagem esculpida, daí, por um levita descendente de Moisés, o qual, embora não fosse da família sacerdotal de Arão, atuava como sacerdote. Por fim, o éfode e a imagem caíram nas mãos de homens da tribo de Dã, entre os quais o levita e seus filhos depois dele continuaram nesta posição idólatra na cidade de Dã, durante todos os dias em que a casa de Deus se encontrava em Silo.