Etanim

[provavelmente: [Correntes] Perseverantes; [Correntes] Sempre Fluindo].

Era o sétimo mês lunar do calendário sagrado dos israelitas, mas o primeiro do calendário secular. (1Rs 8:2) Correspondia a parte de setembro e parte de outubro. Após o exílio babilônico, foi chamado de tisri, nome que não aparece no registro bíblico, mas é encontrado em escritos pós-exílicos.

Falando sobre a festividade que começava no dia 15 deste mês (ou por volta da primeira parte de outubro), o historiador Josefo escreve: “No dia quinze deste mesmo mês, quando se atinge o ponto de virada para a estação do inverno, Moisés pede que cada família arrume tendas, apreensivo por causa do frio e como proteção contra as inclemências do ano.” — Jewish Antiquities (Antiguidades Judaicas), III, 244 (x, 4).

Início do Ano Agrícola. Ao passo que abibe (ou nisã) se tornou o primeiro mês do ano no calendário sagrado judaico após o Êxodo do Egito, etanim continuou a ser encarado como o primeiro mês num sentido secular ou agrícola. Neste mês, quase todas as colheitas tinham sido terminadas, marcando o fim do ano agrícola. As chuvas temporãs que depois caíam amoleciam o solo para a aração que se seguia e que indicava o início de novas operações agrícolas. Jeová referiu-se a etanim como virada do ano, ao falar da festividade do recolhimento como ocorrendo “à saída do ano” e “na volta do ano”. (Êx 23:16; 34:22) É também notável que não era no mês de abibe, mas sim neste mês de etanim que começava o ano do jubileu. — Le 25:8-12.

Tisri, nome posterior aplicado a este mês, significa “Começo do Ano”, e o dia 1.° de tisri ainda é celebrado pelos judeus como seu Ano-Novo, ou Rosh Hashanah (“Cabeça do Ano”).

Mês Festivo. Etanim era também mês de festividades. O primeiro dia era o “dia de toque de trombeta”. (Le 23:24; Núm 29:1) Visto que toda lua nova era normalmente anunciada com um toque de trombeta, neste dia provavelmente havia adicionais ou extensos toques de trombeta. (Núm 10:10) No dia 10 de etanim celebrava-se o anual Dia da Expiação. (Le 16:29, 30; 23:27; Núm 29:7) Do dia 15 ao dia 21 havia a Festividade das Barracas, ou Festividade do Recolhimento, seguida no dia 22 por uma assembléia solene. (Le 23:34-36) Assim, uma grande parte do mês de etanim era ocupada por essas ocasiões festivas.

Eventos em Etanim. Visto que a Bíblia, do primeiro livro em diante, apresenta dados cronológicos, e visto que a primeira menção de anos de vida ocorre em relação com a vida de Adão, parece que o uso antigo do mês chamado etanim, como mês inicial do ano, fornece alguma base para se crer que a vida de Adão começou neste mês. (Gên 5:1-5) Foi no primeiro dia do primeiro mês (mais tarde chamado etanim) que Noé, depois de já ter passado mais de dez meses na arca, removeu a cobertura da arca e observou que as águas do Dilúvio se tinham escoado de cima do solo. (Gên 8:13) Mais de 1.300 anos depois, Salomão inaugurou o completado templo em Jerusalém no mês de etanim. (1Rs 8:2; 2Cr 5:3) Após a destruição de Jerusalém, em 607 AEC, o assassinato do governador Gedalias e a subseqüente fuga dos israelitas remanescentes para o Egito, no mês de etanim, marcou a desolação total de Judá. (2Rs 25:25, 26; Je 41:1, 2) Estes eventos estavam envolvidos nos motivos do “jejum do sétimo mês” mencionado em Zacarias 8:19. Setenta anos mais tarde, por volta do mesmíssimo mês, os israelitas exilados, libertos, haviam retornado de Babilônia para iniciar a reconstrução do templo em Jerusalém. — Esd 3:1, 6.

As evidências indicam também que o nascimento de Jesus, bem como seu batismo e sua unção, ocorreram durante este mês. — Veja JESUS CRISTO.