Santos

Aqueles que são puros, especialmente em sentido espiritual ou moral; o termo denota também pessoas separadas para o serviço de Deus, no céu ou na terra.

O próprio Jeová, supremo em pureza e em justiça, é o Santíssimo. (Os 11:12) Ele é freqüentemente chamado de “o Santo de Israel”. (2Rs 19:22; Sal 71:22; 89:18) O apóstolo João diz aos co-membros da congregação cristã: “Vós tendes uma unção do santo.” (1Jo 2:20) Jesus Cristo é chamado de “aquele santo e justo”, mencionado em Atos 3:14. Os anjos de Jeová no céu são santos, plenamente devotados ao serviço de Deus, puros e justos. — Lu 9:26; At 10:22.

Nos Tempos Antigos. Humanos na terra, separados para o serviço de Deus, também têm sido chamados de “santos”. (Sal 34:9) Israel, introduzido numa relação pactual com Deus, tornou-se sua propriedade especial, e, como nação, era santo para ele. Este é o motivo por que alguns daquela nação, que praticavam impureza ou transgressões, causavam aviltamento e traziam o desfavor de Jeová sobre a nação, a menos que se tomasse ação para eliminá-los. O ganancioso e desobediente Acã é um caso desses; seu pecado trouxe aflição a Israel, até ele ser descoberto e apedrejado para morrer. — Jos 7.

Arão, ungido com santo óleo de unção como sumo sacerdote da nação, era santo em sentido especial, intensificado. (Sal 106:16) Concordemente, os requisitos do seu cargo eram bem exigentes. (Le 21:1-15; note também os fatores desqualificantes para todos os sacerdotes nos versículos 16-23 de Le 21; veja SUMO SACERDOTE.) Um pecado por parte do sumo sacerdote (por exemplo, um erro de critério num assunto) podia trazer culpa sobre o povo e tinha de ser expiado pelo sacrifício de um novilho, o mesmo sacrifício que se exigia por um engano da parte da assembléia inteira. — Le 4:3, 13, 14.

Santos Cristãos. Aqueles que são introduzidos numa relação com Deus por meio do novo pacto são santificados, purificados e separados para o serviço exclusivo de Deus pelo “sangue do pacto”, o sangue derramado de Jesus Cristo. (He 10:29; 13:20) São assim constituídos “santos”. Por conseguinte, não se tornam “santos” pelo decreto dum homem ou duma organização, mas por Deus, o qual os introduz numa relação pactuada consigo por meio do sangue de Jesus Cristo. O termo “santos” aplica-se a todos os assim trazidos à união e co-herança com Cristo, não apenas a uns poucos considerados como tendo santidade excepcional. Na Bíblia é também aplicado a eles desde o início de seu proceder santificado na terra, não sendo postergado até depois da sua morte. Pedro diz que eles têm de ser santos porque Deus é santo. (1Pe 1:15, 16; Le 11:44) Todos os irmãos espirituais de Cristo, nas congregações, são freqüentemente chamados de “santos”. — At 9:13; 26:10; Ro 1:7; 12:13; 2Co 1:1; 13:13.

A congregação inteira, como “esposa” de Cristo, é representada usando linho fino, resplandecente e puro, o qual representa “os atos justos dos santos”. (Re 19:7, 8) A simbólica “fera” política de Satanás, o Diabo, é observada em visão travando guerra contra tais enquanto estão na terra. (Re 13:3, 7) Assim se prova severamente a perseverança dos santos, mas eles se saem vencedores por observarem os mandamentos de Deus e a fé que é de Jesus. — Re 13:10; 14:12.

Sua esperança. Numa visão paralela, Daniel observou uma fera travando guerra com os santos de Deus; a isto seguiu-se uma cena de tribunal, em que “o Antigo de Dias” proferiu julgamento a favor dos santos e foi-lhes dado um Reino de duração indefinida, “o reino, e o domínio, e a grandiosidade dos reinos debaixo de todos os céus”. — Da 7:21, 22, 27.

Estes “santos” não exercem autoridade régia enquanto na terra, mas têm de esperar serem unidos com Cristo nos céus. (Ef 1:18-21) Primeiro têm de ser ‘vencedores’. (Re 3:21; compare isso com Re 2:26, 27; 3:5, 12.) Hão de atuar como sacerdotes e reinar com Cristo durante o seu Reinado Milenar. (Re 20:4, 6) O apóstolo Paulo declara que os santos julgarão o mundo, bem como os anjos, evidentemente participando na execução do julgamento nos iníquos. — 1Co 6:2, 3; Re 2:26, 27.

Ataque ao “Acampamento dos Santos”. Em Revelação (Apocalipse) 20:7-9 prediz-se que Satanás, o Diabo, liderará as nações numa guerra contra “o acampamento dos santos e a cidade amada”, após o fim dos mil anos do reinado de Cristo. Evidentemente, a profecia se refere a uma rebelião terrestre contra a soberania do reino de Deus sobre a terra, o que constitui um ataque contra os “santos”. Neste contexto, estes evidentemente são os restabelecidos da humanidade, que mantiveram sua integridade para com Deus e seu Rei messiânico. — Veja SANTIDADE.