Nicolau

[Conquistador do Povo].

1. Um dos sete homens habilitados que a congregação recomendou aos apóstolos para a tarefa de distribuir alimentos, a fim de assegurar um tratamento justo e equitativo entre os da primitiva congregação de Jerusalém após o Pentecostes de 33 EC. Dentre os sete, Nicolau é o único chamado de “prosélito de Antioquia”, o que sugere que ele talvez fosse o único não-judeu do grupo, os nomes gregos dos outros sendo comuns mesmo entre os judeus naturais. — At 6:1-6.

2. A “seita de Nicolau” (ou: dos nicolaítas) é condenada em duas das sete cartas às congregações, nos capítulos 2 e 3 de Revelação (Apocalipse). O “anjo” da congregação de Éfeso foi elogiado por odiar “as ações da seita de Nicolau”, que o próprio Cristo Jesus também odeia. (Re 2:1, 6) Na congregação em Pérgamo, porém, havia alguns que ‘se apegavam ao ensino da seita de Nicolau’, sendo exortados a se afastarem desse e a se arrependerem. — Re 2:12, 15, 16.

Além daquilo que consta em Revelação sobre a seita de Nicolau, nada mais se sabe dela, nem das suas práticas e ensinos, os quais são condenados, nem da sua origem e desenvolvimento. O advérbio “assim”, que segue à referência ao proceder imoral e idólatra adotado pelos israelitas devido “ao ensino de Balaão” (Re 2:14, 15), talvez indique alguma similaridade, mas Revelação faz uma distinção entre os dois. Não há motivo para ligar esta seita com Nicolau, o cristão de Antioquia (N.° 1), só por ele ser a única pessoa com este nome na Bíblia, como fizeram alguns dos primitivos escritores eclesiásticos. Nem se justifica dizer que alguma seita apóstata tomou o nome dele para dar peso à sua transgressão. É mais provável que Nicolau tenha sido uma pessoa não identificada na Bíblia, que deu nome a este movimento ímpio.