Brita-ossos (águia-pesqueira)

[hebraico: pé·res].

Uma das “criaturas voadoras” decretadas impuras e que não deviam ser comidas, segundo o pacto da Lei. (Le 11:13; De 14:12) Seu nome hebraico (pé·res) significa literalmente “o britador”.Le 11:13 n Entendendo que isso se refira à quebra de ossos por uma ave de rapina, a versão do Pontifício Instituto Bíblico verte pé·res por “ossifraga” (“quebrantosso”, Al, ALA, IBB), nome derivado do latim e que significa “brita-osso”. Outros entendem o nome hebraico como indicando uma ave que “dilacera sua presa”, e assim não necessariamente denotando um britador ou quebrador de ossos.

A águia-pesqueira (Pandion haliaetus), parece ser aparentada com o gavião, mas possui certas características distintas, inclusive pés um tanto similares aos da coruja. A cabeça e o bico da águia-pesqueira assemelham-se aos do gavião, o corpo e as asas são castanho-escuros na parte superior, e as partes inferiores são brancas, com marcas marrons. Medindo cerca de 65 cm de comprimento, possui asas com uma envergadura de quase 1,8 m. A águia-pesqueira é encontrada em todo o mundo, vivendo perto de grandes massas aquosas, onde se alimenta de peixes que nadam próximo à superfície. A ave plana quase sem esforço acima da água, girando graciosamente e pairando no ar até que localize sua presa. Daí mergulha rapidamente, chocando-se com a água com os pés para a frente, às vezes desaparecendo abaixo da superfície. Acha-se admiravelmente dotada para este tipo de ataque, possuindo densa plumagem compacta nas partes inferiores, a fim de suportar parte do impacto do choque contra a água, e longas garras curvas, bem aguçadas, que se estendem de dedos ásperos, habilitando a ave a agarrar com firmeza sua presa escorregadia. Dizem os observadores que, ao voar com o peixe para a praia, a fim de devorá-lo, a águia-pesqueira sempre agarra o peixe de modo que a cabeça deste esteja voltada para a frente, reduzindo assim a resistência do ar. A águia-pesqueira é bastante comum na costa e nas ilhas do Sinai meridional.

Outras sugestões para esta ave designada pelo termo hebraico pé·res incluem o pigargo-comum (Haliaeetus albicilla, diferente da águia-pesqueira) e o quebra-ossos (Gypaetus barbatus), um abutre de que se sabe que leva ossos e pequenas tartarugas a certa altura e então os larga para cair em rochas, a fim de os rebentar.

[Foto na página 380]

O “brita-ossos” (águia-pesqueira), uma ave que sob a Lei mosaica não era permitida como alimento.