Profetisa

Mulher que profetiza ou realiza a obra dum profeta. Conforme mostrado nos artigos PROFETA e PROFECIA, profetizar significa basicamente o proferimento de mensagens inspiradas de Deus, a revelação da vontade divina. A predição de eventos futuros podia ou não estar envolvida. Assim como havia profetas verdadeiros e falsos, assim também algumas profetisas foram usadas por Jeová e movidas por Seu espírito, ao passo que outras eram profetisas falsas, não aprovadas por Ele.

Miriã é a primeira mulher apontada na Bíblia como profetisa. Deus evidentemente transmitiu uma ou mais mensagens por intermédio dela, talvez na forma de cânticos inspirados. (Êx 15:20, 21) Assim, registra-se que ela e Arão disseram a Moisés: “Não falou [Jeová] também por meio de nós?” (Núm 12:2) O próprio Jeová, mediante o profeta Miquéias, mencionou ter enviado “Moisés, Arão e Miriã” diante dos israelitas ao conduzi-los para fora do Egito. (Miq 6:4) Embora Miriã fosse privilegiada de ser usada qual instrumento de comunicação divina, seu relacionamento como tal para com Deus era inferior ao usufruído pelo seu irmão, Moisés. Quando ela deixou de manter-se em seu devido lugar, sofreu severo castigo de Deus. — Núm 12:1-15.

No período dos juízes, Débora servia como fonte de informações da parte de Jeová, tornando conhecidos os Seus julgamentos sobre certos assuntos e transmitindo Suas instruções, como nas ordens que deu a Baraque. (Jz 4:4-7, 14-16) Assim, durante um período de fraqueza e apostasia nacionais, ela serviu figurativamente como “mãe em Israel”. (Jz 5:6-8) Hulda, a profetisa, serviu de maneira similar nos dias do Rei Josias, tornando conhecidos os julgamentos de Deus para aquela nação e seu rei. — 2Rs 22:14-20; 2Cr 34:22-28.

Isaías se refere à sua esposa como ‘a profetisa’. (Is 8:3) Embora certos comentaristas sugiram que ela era profetisa apenas no sentido de estar casada com um profeta, não há evidência bíblica para apoiar tal conjectura. Parece mais provável que ela tenha recebido de Jeová algum tipo de designação profética, como no caso de profetisas anteriores.

Neemias fala desfavoravelmente da profetisa Noadias, que, junto com o “resto dos profetas”, procurou instilar medo em Neemias e assim impedir a reconstrução das muralhas de Jerusalém. (Ne 6:14) Embora agisse em oposição à vontade de Deus, isso não significa necessariamente que ela não detivera uma posição válida como profetisa antes disso.

Jeová mencionou a Ezequiel as mulheres israelitas que ‘agiam como profetisas, do seu próprio coração’. Isto dá a entender que tais profetisas não tinham recebido nenhuma comissão divina da parte de Deus, mas eram simples profetisas de imitação, que se haviam intitulado como tais. (Ez 13:17-19) Por meio de suas práticas e propaganda enlaçadoras e enganadoras, elas ‘caçavam almas’, condenando os justos e tolerando os iníquos, mas Jeová livraria seu povo da mão delas. — Ez 13:20-23.

No primeiro século EC, enquanto os judeus ainda eram o povo pactuado de Jeová, a idosa Ana servia como profetisa. Ela “nunca estava ausente do templo, prestando noite e dia serviço sagrado, com jejuns e súplicas”. Por “falar sobre a criança [Jesus] a todos os que aguardavam o livramento de Jerusalém”, ela atuou como profetisa no sentido básico de ‘proclamar’ uma revelação do propósito de Deus. — Lu 2:36-38.

Profetizar achava-se entre os milagrosos dons do espírito concedidos à recém-formada congregação cristã. Certas mulheres cristãs, tais como as quatro filhas virgens de Filipe, profetizavam induzidas pelo espírito santo de Deus. (At 21:9; 1Co 12:4, 10) Isto ocorreu em cumprimento de Joel 2:28, 29, que predizia que “vossos filhos e vossas filhas certamente profetizarão”. (At 2:14-18) Tal dom, porém, não desobrigava a mulher da submissão à chefia de seu marido, ou à dos homens no âmbito da congregação cristã; em símbolo de sua sujeição, ela devia usar uma cobertura para a cabeça, ao profetizar (1Co 11:3-6), e não devia atuar como instrutora dentro da congregação. — 1Ti 2:11-15; 1Co 14:31-35.

Certa mulher, semelhante a Jezabel, na congregação de Tiatira, afirmava ter poderes proféticos, mas seguia o proceder das antigas profetisas falsas e foi condenada por Cristo Jesus em sua mensagem dada a João, em Revelação (Apocalipse) 2:20-23. Ela atuava indevidamente como instrutora e desencaminhava membros da congregação para práticas erradas.