Estudar recompensa e agrada

“Se persistires em procurar isso . . . acharás o próprio conhecimento de Deus.” — PROVÉRBIOS 2:4, 5.

MUITOS lêem só por prazer. Se a matéria for benéfica, a leitura pode ser uma fonte de descontração sadia. Alguns cristãos, além de terem um programa de leitura regular da Bíblia, têm verdadeiro prazer em ler ao acaso trechos dos Salmos, dos Provérbios, dos Evangelhos ou de outras partes da Bíblia. A própria beleza de linguagem e de idéias lhes dá muito prazer. Outros escolhem para a sua leitura de lazer o Anuário das Testemunhas de Jeová, a revista Despertai!, relatos biográficos publicados nesta revista ou matéria impressa sobre História, Geografia e estudos da natureza.

2 Ao passo que a leitura casual pode ser uma forma de descontração, o estudo requer esforço mental. Francis Bacon, filósofo inglês, escreveu: “Alguns livros devem ser provados, outros devem ser engolidos, e poucos devem ser mastigados e digeridos.” É bem evidente que a Bíblia está nesta última categoria. O apóstolo Paulo escreveu: “A respeito dele [Cristo, conforme prefigurado pelo Rei-Sacerdote Melquisedeque] temos muito a dizer e difícil de explicar, visto que ficastes obtusos no vosso ouvir. O alimento sólido . . . é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm as suas faculdades perceptivas treinadas para distinguir tanto o certo como o errado.” (Hebreus 5:11, 14) O alimento sólido precisa ser mastigado antes de ser engolido e digerido. A profunda informação espiritual exige reflexão antes de ser absorvida e retida.

3 Certo dicionário define “estudo” como “o ato ou o processo de usar a mente para obter conhecimento ou entendimento como pela leitura, pela investigação, etc.” Portanto, há mais envolvido do que apenas ler superficialmente, talvez sublinhando palavras durante a leitura. O estudo significa trabalho, esforço mental e o uso das faculdades perceptivas. No entanto, embora o estudo exija esforço, isto não significa que não possa ser agradável.

Torne o estudo um prazer

4 Ler e estudar a Palavra de Deus pode ser animador e revigorante. O salmista declarou: “A lei de Jeová é perfeita, fazendo retornar a alma. A advertência de Jeová é fidedigna, tornando sábio o inexperiente. As ordens de Jeová são retas, fazendo o coração alegrar-se; o mandamento de Jeová é limpo, fazendo os olhos brilhar.” (Salmo 19:7, 8) As leis e as advertências de Jeová reanimam nossa alma, aumentam nosso bem-estar espiritual, dão-nos alegria íntima e fazem nossos olhos brilhar com a visão clara dos maravilhosos propósitos de Jeová. Como isso é agradável!

5 Quando conseguimos ver os bons resultados de nosso trabalho, passamos a gostar dele. Portanto, para tornar o estudo um prazer, devemos usar prontamente o conhecimento recém-adquirido. Tiago escreveu: “Aquele que olha de perto para a lei perfeita que pertence à liberdade e que persiste nisso, este, porque se tornou, não ouvinte esquecediço, mas fazedor da obra, será feliz em fazê-la.” (Tiago 1:25) A imediata aplicação pessoal dos pontos aprendidos dá grande satisfação. Fazer pesquisas com o objetivo específico de responder a uma pergunta que nos fizeram durante a obra de pregação ou de ensino também nos dá muita felicidade.

Desenvolva gosto pela Palavra de Deus

6 O compositor do Salmo 119, talvez Ezequias quando ainda era um jovem príncipe, expressou seu gosto pela palavra de Jeová. Ele disse, em linguagem poética: “Terei gosto em teus estatutos. Não esquecerei a tua palavra. Também, é das tuas advertências que eu gosto  . . . Terei gosto em teus mandamentos que tenho amado. Cheguem a mim as tuas misericórdias, para que eu continue vivendo; pois é da tua lei que eu gosto. Tenho anelado a tua salvação, ó Jeová, e gosto da tua lei.” — Salmo 119:16, 24, 47, 77, 174.

7 Explicando a palavra traduzida ‘ter gosto’ no Salmo 119, um dicionário das Escrituras Hebraicas declara: “Seu uso no v. 16 é paralelo aos [verbos] para alegria  . . . e para meditação  . . . A seqüência é: alegrar-se, meditar, deleitar-se de  . . . Esta combinação talvez sugira que refletir com um objetivo é o modo de se passar a deleitar-se na Palavra de Iahweh  . . . O sentido inclui um elemento de emoção.”*

8 Deveras, o amor que temos à Palavra de Jeová deve vir do coração, a sede das motivações. Devemos ter prazer em refletir sobre certos textos que acabamos de ler. Devemos ponderar profundas idéias espirituais, ficar absortos nelas e meditar sobre elas. Isto requer calma reflexão e oração. Assim como Esdras, temos de preparar o coração para a leitura e o estudo da Palavra de Deus. Escreveu-se a respeito dele: “O próprio Esdras tinha preparado seu coração para consultar a lei de Jeová e para praticá-la, e para ensinar regulamento e justiça em Israel.” (Esdras 7:10) Note o objetivo tríplice de Esdras preparar o seu coração: para estudar, para fazer uma aplicação pessoal e para ensinar. Devemos seguir o exemplo dele.

Estude como ato de adoração

9 O salmista declarou que se preocupava com as leis, os mandamentos e as advertências de Jeová. Ele cantou: “Vou ocupar-me com as tuas ordens e vou olhar para as tuas veredas.  . . . Levantarei as palmas das minhas mãos aos teus mandamentos que tenho amado, e vou ocupar-me com os teus regulamentos. Quanto eu amo a tua lei! O dia inteiro ela é a minha preocupação. Vim a ter mais perspicácia do que todos os meus mestres, porque as tuas advertências são minha preocupação.” (Salmo 119:15, 48, 97, 99) O que significa ‘ocupar-se’ com a Palavra de Jeová?

10 O verbo hebraico traduzido “ocupar[-se]” significa também “meditar, ponderar”, “repassar algo na mente”. “É usado para a reflexão silenciosa sobre as obras de Deus  . . . e a palavra de Deus.” (Theological Wordbook of the Old Testament [Manual Teológico de Termos do Antigo Testamento]) A forma “ocupar-se”, refere-se à “meditação do salmista”, ao “seu amoroso estudo” da lei de Deus, como “ato de adoração”. Considerarmos o estudo da Palavra de Deus parte da nossa adoração dá-lhe mais seriedade. Por isso deve ser feito cuidadosamente e com o benefício da oração. O estudo faz parte da nossa adoração e é feito para melhorá-la.

Aprofunde-se mais na Palavra de Deus

11 O salmista exclamou com admiração reverente: “Quão grandes são os teus trabalhos, ó Jeová! Muito profundos são os teus pensamentos.” (Salmo 92:5) O apóstolo Paulo falou das “coisas profundas de Deus”, dos pensamentos profundos que Jeová revela ao seu povo “por intermédio de seu espírito” que atua sobre a classe do escravo fiel e discreto. (1 Coríntios 2:10; Mateus 24:45) A classe do escravo providencia diligentemente nutrição espiritual a todos — “leite” para os novos, mas “alimento sólido” para as “pessoas maduras”. — Hebreus 5:11-14.

12 Para se compreender tais “coisas profundas de Deus”, é preciso estudar com oração e refletir sobre a Palavra dele. Por exemplo, publicou-se matéria excelente mostrando como Jeová pode ao mesmo tempo ser justo e misericordioso. Usar ele de misericórdia não significa que enfraqueça sua justiça; antes, a misericórdia divina é uma expressão tanto da justiça como do amor de Deus. Ao julgar um pecador, Jeová primeiro determina se é possível ter misericórdia à base do sacrifício resgatador de seu Filho. Se o pecador for impenitente ou rebelde, Deus permite que a justiça seja feita sem misericórdia injustificada. De qualquer modo, ele é fiel aos seus elevados princípios.* (Romanos 3:21-26) ‘Ó profundidade da sabedoria de Deus!’ — Romanos 11:33.

13 Nós, assim como o salmista, ficamos emocionados por Jeová compartilhar conosco muitos dos seus pensamentos. Davi escreveu: “Quão preciosos são para mim os teus pensamentos! Ó Deus, a quanto ascende a soma total deles! Se eu tentasse contá-los, seriam mais do que mesmo os grãos de areia.” (Salmo 139:17, 18) Embora nosso conhecimento represente hoje apenas uma fração dos inúmeros pensamentos que Jeová revelará no decurso da eternidade, apreciamos profundamente “a soma total” das preciosas verdades espirituais reveladas até agora e esquadrinhamos cada vez mais a soma, ou substância, da Palavra de Deus. — Salmo 119:160, nota de rodapé.

necessidade de esforço e de instrumentos eficazes

14 O estudo profundo da Bíblia exige esforço. Isto se torna bem evidente na leitura atenta de Provérbios 2:1-6. Note os verbos de ação que o sábio Rei Salomão usou para destacar o esforço necessário para se obter conhecimento, sabedoria e discernimento divinos. Ele escreveu: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus. Pois o próprio Jeová dá sabedoria; da sua boca procedem conhecimento e discernimento.” Deveras, para o estudo ser recompensador é preciso fazer pesquisa, escavando, por assim dizer, em busca de um tesouro escondido.

15 Para que o estudo nos enriqueça espiritualmente também é preciso ter métodos bons de estudo. Salomão escreveu: “Se uma ferramenta ficou embotada e alguém não lhe amolou o fio, então terá de usar as suas próprias energias vitais.” (Eclesiastes 10:10) Se um trabalhador usar uma ferramenta cortante que não está afiada, ou se não a usar com habilidade, desperdiçará sua energia, e seu trabalho será de qualidade inferior. Do mesmo modo, os benefícios derivados do tempo de estudo podem variar muito, dependendo de nossos métodos de estudo. Excelentes sugestões práticas para melhorar nosso modo de estudar podem ser encontradas no Estudo 7 do Manual da Escola do Ministério Teocrático.*

16 Quando um artífice se prepara para trabalhar, ele arruma as ferramentas de que vai precisar. De modo similar, antes de começar a estudar, devemos escolher na nossa biblioteca os instrumentos de estudo de que vamos precisar. Lembrando-se de que o estudo é trabalho e exige esforço mental, convém também adotar a postura correta. Se queremos ficar mentalmente alertas, sentar-nos numa cadeira junto a uma mesa talvez seja mais eficaz do que deitar-se na cama ou sentar-se numa poltrona confortável. Depois de ter ficado concentrado por algum tempo, poderá achar proveitoso esticar-se um pouco ou sair para tomar ar fresco.

17 Temos também muitas incomparáveis ajudas para o estudo. A principal entre elas é a Tradução do Novo Mundo da Bíblia, agora disponível na íntegra ou em partes em 37 línguas. A edição padrão da Tradução do Novo Mundo vem equipada com referências cruzadas e uma “Tabela dos Livros da Bíblia”, que indica o nome do escritor, onde o livro foi escrito e o período que abrange. Tem também um índice de palavras bíblicas, um apêndice e mapas. Em algumas línguas, esta Bíblia é impressa também numa edição de tamanho maior, conhecida como Bíblia com Referências. Ela contém todas as particularidades já mencionadas e muitas outras, inclusive extensas notas de rodapé e um índice das notas de rodapé. Aproveita você plenamente o que há disponível, para lhe ajudar a pesquisar de modo mais profundo a Palavra de Deus?

18 Outro inestimável instrumento de pesquisa é a enciclopédia bíblica de três volumes, Estudo Perspicaz das Escrituras. Ela deveria ser sua companheira constante ao estudar. Fornecer-lhe-á informações de fundo sobre a maioria dos tópicos bíblicos. Um instrumento similarmente útil é o livro “Toda a Escritura É Inspirada por Deus e Proveitosa”. Ao começar a ler um novo livro da Bíblia, convém examinar o estudo correspondente no livro ‘Toda Escritura’, para entender o fundo histórico e geográfico e para obter um resumo do conteúdo do livro bíblico e do seu valor para nós. Um acréscimo recente aos muitos instrumentos de estudo em forma impressa é a Watchtower Library (Biblioteca da Torre de Vigia) em formato eletrônico, agora disponível em nove línguas, inclusive em português.

19 Jeová providenciou todos esses instrumentos por meio do “escravo fiel e discreto”, a fim de habilitar seus servos na Terra a ‘procurar e a achar o próprio conhecimento de Deus’. (Provérbios 2:4, 5) Bons hábitos de estudo nos habilitam a obter um conhecimento melhor de Jeová e a ter um relacionamento mais achegado com ele. (Salmo 63:1-8) Deveras, estudar significa trabalhar, mas é um trabalho satisfatório e recompensador. Mas, requer tempo, e você provavelmente pensa: ‘Onde vou achar tempo para dar a devida atenção à leitura da Bíblia e ao estudo dela?’ Este aspecto será considerado no artigo concludente desta série.

[Nota(s) de rodapé]

New International Dictionary of Old Testament Theology Exegesis (Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Velho Testamento), Volume 4, páginas 205-7.

Veja A Sentinela de 1.° de agosto de 1998, página 13, parágrafo 7. Como projeto de estudo, você poderia recapitular ambos os artigos de estudo neste número, bem como os verbetes “Juízo”, “Misericórdia” e “Justiça”, na enciclopédia bíblica Estudo Perspicaz das Escrituras, publicada pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados.

Publicado pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados. Poderá encontrar também bom conselho sobre métodos de estudo nos seguintes números de A Sentinela: 15 de agosto de 1993, páginas 13-17; 15 de maio de 1986, páginas 19-20.

Perguntas de recapitulação

• Como podemos tornar nosso estudo reanimador e recompensador?

• Assim como o salmista, como podemos ter “gosto” pela Palavra de Jeová e “ocupar[-nos]” com ela?

• Como mostra Provérbios 2:1-6 a necessidade de fazer esforço para estudar a Palavra de Deus?

• Que excelentes instrumentos para o estudo providenciou Jeová?

[Perguntas de Estudo]

 1. Como pode a leitura para lazer dar grande prazer?

2, 3. (a) De que modo se pode comparar a profunda informação espiritual ao alimento sólido? (b) O que envolve o estudo?

 4. Segundo o salmista, como pode o estudo da Palavra de Deus ser reanimador e recompensador?

 5. De que formas pode o estudo dar-nos muito prazer?

 6. Como expressou o escritor do Salmo 119 seu gosto pela palavra de Jeová?

7, 8. (a) Segundo certa obra de referência, o que significa ‘ter gosto’ pela Palavra de Deus? (b) Como podemos mostrar nosso amor pela Palavra de Deus? (c) Como se preparava Esdras antes de ler a Lei de Jeová?

9, 10. (a) Como mostrou o salmista que se ocupava com a Palavra de Jeová? (b) Que significa o verbo hebraico traduzido “ocupar[-se]”? (c) Por que é importante que consideremos o estudo da Bíblia como “ato de adoração”?

11. Como revela Jeová ao seu povo pensamentos espirituais profundos?

12. Cite um exemplo de “coisas profundas de Deus” explicadas pela classe do escravo.

13. Como devemos mostrar apreço pela “soma total” de verdades espirituais reveladas até agora?

14. Como destaca Provérbios 2:1-6 a necessidade de esforço para estudar a Palavra de Deus?

15. Que ilustração bíblica destaca a necessidade de bons métodos de estudo?

16. Que sugestões práticas se dão para nos ajudar a fazer um estudo profundo?

17, 18. Cite exemplos de como usar os excelentes instrumentos de estudo disponíveis para você.

19. (a) Por que Jeová providenciou para nós instrumentos excelentes para o estudo da Bíblia? (b) O que é necessário para se ler e estudar devidamente a Bíblia?

[Foto na página 14]

Refletir silenciosamente e orar ajuda-nos a criar amor à Palavra de Deus

[Fotos na página 17]

Aproveita você plenamente os instrumentos de estudo disponíveis para esquadrinhar mais a Palavra de Deus?