O ajuntamento das coisas no céu e das coisas na Terra

“É segundo o seu beneplácito . . . ajuntar novamente todas as coisas no Cristo,  as coisas nos céus e as coisas na terra.” — EFÉSIOS 1:9, 10.

PAZ UNIVERSAL! Esse é o glorioso propósito de Jeová, “o Deus de paz”. (Hebreus 13:20) Ele inspirou o apóstolo Paulo a escrever que seu “beneplácito” é “ajuntar novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra”. (Efésios 1:9, 10) Qual é o sentido do verbo traduzido “ajuntar novamente” nesse versículo? O erudito bíblico John B. Lightfoot observa: “A expressão denota a inteira harmonia do Universo, que não abrigará mais elementos estranhos e discordantes, mas no qual todas as partes encontrarão seu núcleo e vínculo de união em Cristo. Desaparecerão o pecado e a morte, a tristeza e o fracasso.”

“As coisas nos céus”

2 O apóstolo Pedro resumiu a maravilhosa esperança dos cristãos verdadeiros ao escrever: “Há novos céus e uma nova terra que aguardamos segundo a sua promessa, e nestes há de morar a justiça.” (2 Pedro 3:13) Os “novos céus” prometidos aqui se referem à nova autoridade governamental, o Reino messiânico. “As coisas nos céus”, mencionadas por Paulo na sua carta aos efésios, seriam ajuntadas “no Cristo”. Isso se refere ao número limitado de humanos escolhidos para governar com Cristo nos céus. (1 Pedro 1:3, 4) Esses 144.000 cristãos ungidos são “comprados da terra”, “dentre a humanidade”, para serem co-herdeiros de Cristo no seu Reino celestial. — Revelação (Apocalipse) 5:9, 10; 14:3, 4; 2 Coríntios 1:21; Efésios 1:11; 3:6.

3 Os cristãos ungidos são gerados, ou nascidos de novo, por meio do espírito santo, para se tornarem filhos espirituais de Jeová. (João 1:12, 13; 3:5-7) Sendo adotados por Jeová como “filhos”, eles se tornam irmãos de Jesus. (Romanos 8:15; Efésios 1:5) Como tais, mesmo quando ainda estão na Terra, diz-se que foram ‘levantados e assentados junto nos lugares celestiais em união com Cristo Jesus’. (Efésios 1:3; 2:6) Eles ocupam essa enaltecida posição espiritual porque ‘foram selados com o prometido espírito santo, que é penhor antecipado de sua herança’, reservada para eles nos céus. (Efésios 1:13, 14; Colossenses 1:5) Esses são, portanto, “as coisas nos céus”, cujo número total predeterminado por Jeová tinha de ser ajuntado.

Começa o ajuntamento

4 Em harmonia com a “administração” (ou maneira de gerenciar coisas) de Jeová, o ajuntamento das “coisas nos céus” começaria “no pleno limite dos tempos designados”. (Efésios 1:10) Esse tempo chegou no Pentecostes de 33 EC. Naquele dia, foi derramado espírito santo sobre os apóstolos e um grupo de discípulos, homens e mulheres. (Atos 1:13-15; 2:1-4) Isso provou que o novo pacto havia entrado em vigor, marcando o nascimento da congregação cristã e da nova nação do Israel espiritual, “o Israel de Deus”. — Gálatas 6:16; Hebreus 9:15; 12:23, 24.

5 O pacto da Lei, feito com o Israel carnal, não produziu “um reino de sacerdotes e uma nação santa” que serviria para sempre no céu. (Êxodo 19:5, 6) Jesus disse aos líderes religiosos judaicos: “O reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que produza os seus frutos.” (Mateus 21:43) Essa nação, o Israel espiritual, compõe-se de cristãos ungidos introduzidos no novo pacto. Para esses, o apóstolo Pedro escreveu: “Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz. Porque vós, outrora, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus.” (1 Pedro 2:9, 10) O Israel carnal não era mais o povo pactuado de Deus. (Hebreus 8:7-13) Como Jesus havia predito, o privilégio de participar no Reino messiânico foi tirado deles e dado aos 144.000 membros do Israel espiritual. — Revelação 7:4-8.

Introduzidos no pacto do Reino

6 Na noite em que Jesus instituiu a Comemoração de sua morte, ele disse aos apóstolos fiéis: “Vós sois os que ficastes comigo nas minhas provações; e eu faço convosco um pacto, assim como meu Pai fez comigo um pacto, para um reino, a fim de que comais e bebais à minha mesa, no meu reino, e vos senteis em tronos para julgar as doze tribos de Israel.” (Lucas 22:28-30) Jesus referiu-se aqui a um pacto especial que fez com seus 144.000 irmãos gerados pelo espírito, que permaneceriam ‘fiéis até a morte’ e se tornariam ‘vencedores’. — Revelação 2:10; 3:21.

7 Os que compõem esse grupo limitado renunciam a toda esperança de vida eterna na Terra como humanos de carne e sangue. Eles reinarão com Cristo no céu, sentando-se em tronos para julgar a humanidade. (Revelação 20:4, 6) Vejamos agora outros textos bíblicos que se aplicam apenas a esses ungidos e que mostram por que as “outras ovelhas” não tomam dos emblemas na Comemoração. — João 10:16.

8 Os ungidos passam por sofrimentos assim como Jesus passou, e dispõem-se a sofrer uma morte semelhante à dele. Como membro desse grupo, Paulo declarou que estava preparado para qualquer sacrifício, de modo que pudesse ‘ganhar a Cristo a fim de conhecer a ele e o poder de sua ressurreição e a participação nos seus sofrimentos’. De fato, Paulo se dispunha a submeter-se “a uma morte semelhante à [de Jesus]”. (Filipenses 3:8, 10) Muitos cristãos ungidos têm suportado em seus corpos carnais “o tratamento mortífero dado a Jesus”. — 2 Coríntios 4:10.

9 Ao instituir a Refeição Noturna do Senhor, Jesus disse: “Isso significa meu corpo.” (Marcos 14:22) Ele se referia a seu corpo literal, que logo seria espancado e sangraria. O pão sem fermento era um símbolo apropriado desse corpo. Por quê? Porque na Bíblia, o fermento pode denotar pecado ou perversidade. (Mateus 16:4, 11, 12; 1 Coríntios 5:6-8) Jesus era perfeito, e seu corpo humano era sem pecado. Ele ofereceria esse corpo perfeito como sacrifício propiciatório. (Hebreus 7:26; 1 João 2:2) Esse seu gesto beneficiaria todos os cristãos fiéis, quer tivessem a esperança de viver no céu, quer de vida eterna numa Terra paradísica. — João 6:51.

10 A respeito do vinho que os cristãos ungidos tomam na Comemoração, Paulo escreveu: “O copo de bênção que abençoamos, não é uma participação no sangue do Cristo?” (1 Coríntios 10:16) Em que sentido os que tomam do vinho ‘participam no sangue do Cristo?’ Eles certamente não participam em prover o sacrifício de resgate, pois eles mesmos precisam de redenção. Por meio de sua fé no poder redentor do sangue de Cristo, seus pecados são perdoados e eles são declarados justos para a vida no céu. (Romanos 5:8, 9; Tito 3:4-7) É por meio do sangue derramado de Cristo que seus 144.000 co-herdeiros são ‘santificados’, ou colocados à parte, purificados do pecado para serem “santos”. (Hebreus 10:29; Daniel 7:18, 27; Efésios 2:19) De fato, foi com seu sangue derramado que Cristo ‘comprou pessoas para Deus, dentre toda tribo, língua, povo e nação, e fez delas um reino e sacerdotes para o nosso Deus, e esses hão de reinar sobre a Terra’. — Revelação 5:9, 10.

11 Ao instituir a Comemoração de sua morte, Jesus estendeu o copo de vinho aos seus apóstolos fiéis e disse: “Bebei dele, todos vós; pois isto significa meu ‘sangue do pacto’, que há de ser derramado em benefício de muitos, para o perdão de pecados.” (Mateus 26:27, 28) Assim como o sangue de touros e de cabritos validou o pacto da Lei feito entre Deus e a nação de Israel, o sangue de Jesus validaria o novo pacto que Jeová faria com o Israel espiritual a partir do Pentecostes de 33 EC. (Êxodo 24:5-8; Lucas 22:20; Hebreus 9:14, 15) Por beberem do vinho que simboliza o “sangue do pacto”, os ungidos indicam que foram introduzidos no novo pacto e recebem seus benefícios.

12 Algo mais é trazido à atenção dos ungidos. Jesus disse aos seus discípulos fiéis: “Bebereis o copo que eu estou bebendo e sereis batizados com o batismo com que eu estou sendo batizado.” (Marcos 10:38, 39) Mais tarde, o apóstolo Paulo falou de cristãos serem ‘batizados na morte’ de Cristo. (Romanos 6:3) Os ungidos levam uma vida de sacrifício. A sua morte é sacrificial no sentido de que renunciam a toda esperança de vida eterna na Terra. O batismo desses cristãos ungidos na morte de Cristo se completa quando, depois de morrerem fiéis, são ressuscitados como criaturas espirituais para ‘reinar junto’ com Cristo no céu. — 2 Timóteo 2:10-12; Romanos 6:5; 1 Coríntios 15:42-44, 50.

Tomar dos emblemas

13 Visto que tomar do pão e do vinho na Comemoração envolve tudo isso, obviamente seria impróprio que aqueles que têm esperança de vida eterna na Terra tomassem desses emblemas. Os que têm esperança terrestre discernem que não são membros ungidos do corpo de Cristo e que não estão no novo pacto que Jeová fez com os que governarão com Jesus Cristo. Visto que “o copo” representa o novo pacto, apenas quem está no novo pacto toma dos emblemas. Os que esperam ganhar a vida eterna em perfeição humana na Terra, sob o governo do Reino, não são batizados na morte de Jesus nem chamados para governar com ele no céu. Tomarem dos emblemas implicaria em algo que não é verdade no caso deles. Assim, eles não tomam, embora certamente assistam à Comemoração como observadores respeitosos. São gratos por tudo o que Jeová tem feito por eles por meio de seu Filho, incluindo a concessão do perdão à base do sangue derramado de Cristo.

14 A selagem final do relativamente pequeno número de cristãos chamados para reinar com Cristo no céu está praticamente completa. Até o fim de sua vida de sacrifício na Terra, os ungidos são fortalecidos espiritualmente por tomarem dos emblemas na Comemoração. Eles sentem um vínculo de união com seus irmãos e irmãs como membros do corpo de Cristo. Tomarem dos simbólicos pão e vinho os faz lembrar de sua responsabilidade de permanecerem fiéis até a morte. — 2 Pedro 1:10, 11.

O ajuntamento das “coisas na terra”

15 Desde meados dos anos 30, um número crescente de “outras ovelhas”, que não são do “pequeno rebanho” e cuja esperança é viver para sempre na Terra, tem se juntado em apoio aos ungidos. (João 10:16; Lucas 12:32; Zacarias 8:23) Eles se tornam companheiros leais dos irmãos de Cristo, prestando ajuda valiosa na pregação das “boas novas do reino” em testemunho a todas as nações. (Mateus 24:14; 25:40) Ao fazerem isso, preparam-se para ser reconhecidos por Cristo como suas “ovelhas”, que ficarão “à sua direita” de favor quando ele vier para julgar as nações. (Mateus 25:33-36, 46) Por meio da fé no sangue de Cristo, comporão a “grande multidão” que sobreviverá à “grande tribulação”. — Revelação 7:9-14.

16 A selagem final dos 144.000 abrirá o caminho para a soltura dos “ventos” de destruição contra o perverso sistema de Satanás na Terra. (Revelação 7:1-4) Durante o Reinado Milenar de Cristo e seus associados reis-sacerdotes, um grande número indeterminado de ressuscitados se juntará à grande multidão. (Revelação 20:12, 13) Esses terão a oportunidade de se tornar súditos terrestres permanentes do Rei messiânico, Jesus Cristo. No fim do Reinado Milenar, todas essas “coisas na terra” serão submetidas a uma prova final. Os que se mostrarem fiéis serão adotados como “filhos [terrestres] de Deus”. — Efésios 1:10; Romanos 8:21; Revelação 20:7, 8.

17 Assim, por meio de sua infinitamente sábia “administração”, ou maneira de gerenciar, Jeová terá cumprido seu propósito de “ajuntar novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra”. Todas as criaturas inteligentes no céu e na Terra terão sido ajuntadas num clima de paz universal, submetendo-se alegremente à justa soberania do Grande Cumpridor de Propósitos, Jeová.

18 A reunião de 12 de abril de 2006 certamente fortalecerá a fé do pequeno número de ungidos e de seus milhões de companheiros das outras ovelhas. Eles vão celebrar a Comemoração da morte de Cristo, como Jesus ordenou: “Persisti em fazer isso em memória de mim.” (Lucas 22:19) Todos os que comparecerem deverão reavaliar o que Jeová tem feito por eles por meio de seu Filho amado, Jesus Cristo.

Recapitulação

• Qual é o propósito de Jeová para “as coisas nos céus e as coisas na terra”?

• O que são “as coisas nos céus”, e como têm sido ajuntadas?

• O que são “as coisas na terra”, e que esperança têm?

[Perguntas de Estudo]

 1. Qual é o “beneplácito”, ou propósito, de Jeová para o céu e a Terra?

 2. O que são “as coisas nos céus” que precisam ser ajuntadas?

 3. Por que se pode dizer que os ungidos estão ‘assentados nos lugares celestiais’ mesmo quando ainda estão na Terra?

 4. Quando e como começou o ajuntamento das “coisas nos céus”?

 5. Por que Jeová criou uma nova “nação” para substituir o Israel carnal?

6, 7. Que pacto especial Jesus fez com seus irmãos ungidos pelo espírito, e o que isso significa para eles?

 8. O que os ungidos indicam ao comerem do pão? (Veja quadro na página 23.)

 9. Que corpo é simbolizado pelo pão usado na Comemoração?

10. Em que sentido os que bebem do vinho na Comemoração ‘participam no sangue do Cristo’?

11. O que os ungidos indicam por beber do vinho na Comemoração?

12. Em que sentido os ungidos são batizados na morte de Cristo?

13. Por que os que têm esperança de vida eterna na Terra não tomam dos emblemas na Comemoração, mas por que assistem a ela?

14. Como os ungidos são fortalecidos espiritualmente por tomarem do pão e do vinho?

15. Quem tem se juntado em apoio aos cristãos ungidos?

16. Quem serão incluídos nas “coisas na terra”, e como terão a oportunidade de se tornar “filhos de Deus”?

17. Como será cumprido o propósito de Jeová?

18. De que modo tanto os ungidos como seus companheiros se beneficiarão de assistir à Comemoração?

[Quadro na página 23]

“O corpo do Cristo”

  Em 1 Coríntios 10:16, 17, ao explicar a aplicação específica do pão aos irmãos de Cristo ungidos pelo espírito, Paulo mencionou “corpo” num sentido especial. Ele disse: “O pão que partimos, não é uma participação no corpo do Cristo? Porque há um só pão, nós, embora muitos, somos um só corpo, pois estamos todos participando daquele um só pão.” Ao comerem do pão na Comemoração, os cristãos ungidos confirmam sua união dentro da congregação de ungidos, comparável a um corpo cuja Cabeça é Cristo. — Mateus 23:10; 1 Coríntios 12:12, 13, 18.

[Fotos na página 23]

Por que apenas os ungidos tomam do pão e do vinho?

[Foto na página 25]

A administração de Jeová unirá todas as criaturas no céu e na Terra