Nenhuma arma forjada contra ti será bem-sucedida

‘Nenhuma arma forjada contra ti será bem-sucedida.’ — ISAÍAS 54:17.

DÉCADAS atrás, num pequeno país montanhoso no sudeste da Europa, havia um destemido grupo de cristãos. Um governo comunista ateu fez o que pôde para destruí-los. Mas a tortura, os campos de trabalho forçado e os ataques de propaganda enganosa não puderam exterminá-los. Quem eram eles? Eram as Testemunhas de Jeová na Albânia. Embora reunir-se e pregar fosse extremamente difícil, a persistência delas durante décadas tem exaltado e honrado o cristianismo e trazido louvor ao nome de Jeová. No ano passado, na dedicação da nova sede do povo de Jeová no país, uma fiel Testemunha de Jeová veterana disse: “Não importa o quanto Satanás se esforce, ele sempre perde e Jeová sempre ganha!”

2 Tudo isso é prova viva da veracidade da promessa de Deus a seu povo, registrada em Isaías 54:17: “Nenhuma arma que se forjar contra ti será bem sucedida, e condenarás toda e qualquer língua que se levantar contra ti em julgamento.” A História confirma que não há nada que o mundo de Satanás possa fazer para acabar com a adoração de Jeová Deus praticada pelos seus servos dedicados.

Esforços fracassados de Satanás

3 As armas usadas contra os adoradores verdadeiros incluem proscrições, turbas violentas, prisões e ‘forjar desgraça por meio de leis’. (Salmo 94:20) Na realidade, no mesmo instante em que as Testemunhas de Jeová estão estudando este artigo, em certos países alguns adoradores verdadeiros estão sendo “provados” com relação à sua integridade a Deus. — Revelação (Apocalipse) 2:10.

4 Por exemplo, a sede das Testemunhas de Jeová num certo país relatou que, em apenas um ano, houve 32 casos de agressões físicas contra os servos de Deus enquanto esses realizavam seu ministério. Além disso, a polícia realizou 59 detenções de Testemunhas de Jeová — jovens e idosos, homens e mulheres — que pregavam publicamente. Alguns tiveram de tirar impressões digitais e foram fotografados e presos como criminosos. Outros sofreram ameaças de agressões físicas. Em outro país, há agora cerca de 1.100 casos documentados de Testemunhas de Jeová que foram presas, multadas ou espancadas. Mais de 200 desses ocorreram no mesmo dia em que estavam reunidas para celebrar a morte de Jesus! No entanto, apesar de esmagadora desvantagem, o espírito de Jeová tem habilitado seu povo a sobreviver, tanto nesses países como em outros. (Zacarias 4:6) A intensidade do furor do inimigo não calará esses louvadores de Jeová. Sim, confiamos que nenhuma arma pode derrotar o propósito de Deus.

Línguas falsas condenadas

5 Isaías profetizou que os do povo de Deus ‘condenariam’ qualquer língua que se levantasse contra eles. No primeiro século, os cristãos muitas vezes eram difamados e retratados como malfeitores. As seguintes palavras em Atos 16:20, 21 são típicas dessas acusações: “Estes homens estão perturbando muito a nossa cidade, . . . e publicam costumes que não nos é lícito adotar ou praticar, por sermos romanos.” Em outra ocasião, opositores religiosos tentaram incitar as autoridades da cidade contra os seguidores de Cristo, afirmando: “Estes homens que têm subvertido a terra habitada estão também presentes aqui, [e eles] agem em oposição aos decretos de César.” (Atos 17:6, 7) O apóstolo Paulo foi chamado de “peste” e líder de uma seita que atiçava sedições “por toda a terra habitada”. — Atos 24:2-5.

6 Portanto, não nos surpreende que os atuais cristãos verdadeiros tenham de enfrentar flagrante deturpação, calúnia e campanhas difamatórias. Mas em que sentido ‘condenamos’ esses ataques verbais? — Isaías 54:17.

7 Tais acusações e propaganda mentirosa muitas vezes são refutadas pela excelente conduta das Testemunhas de Jeová. (1 Pedro 2:12) Quando os cristãos mostram ser cidadãos que respeitam a lei e pessoas de boa moral que sinceramente se preocupam com o bem-estar do próximo, as acusações contra eles revelam-se falsas. Nossa boa conduta fala por si mesma. Muitas pessoas, ao observarem nossa perseverança em obras excelentes, são motivadas a glorificar nosso Pai celestial e a reconhecer o modo de vida superior de seus servos. — Isaías 60:14; Mateus 5:14-16.

8 Além da nossa conduta cristã, às vezes pode ser necessário defender com coragem a nossa posição baseada na Bíblia. Um modo de fazer isso é apelar para governos e tribunais em busca de proteção. (Ester 8:3; Atos 22:25-29; 25:10-12) Quando Jesus esteve na Terra, algumas vezes ele contestou abertamente seus críticos, refutando as falsas acusações deles. (Mateus 12:34-37; 15:1-11) Imitando a Jesus, apreciamos a oportunidade de dar uma explicação clara de nossas sinceras convicções. (1 Pedro 3:15) Jamais permitamos que a zombaria na escola, no trabalho ou por parte de parentes descrentes nos impeça de falar sobre as verdades da Palavra de Deus. — 2 Pedro 3:3, 4.

Jerusalém  “uma pedra pesada”

9 A profecia de Zacarias lança luz sobre por que as nações se opõem aos cristãos verdadeiros. Note o que diz Zacarias 12:3: “Naquele dia terá de acontecer que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos.” A que Jerusalém essa profecia se refere? Ela se aplica à “Jerusalém celestial”, o Reino celestial para o qual os cristãos ungidos têm sido escolhidos. (Hebreus 12:22) Um pequeno restante desses herdeiros do Reino messiânico ainda está na Terra. Junto com seus companheiros, as “outras ovelhas”, esse restante exorta as pessoas a se voltarem para o Reino de Deus enquanto ainda há tempo. (João 10:16; Revelação 11:15) Como as nações têm reagido a esse convite? E que tipo de apoio Jeová dá hoje aos adoradores verdadeiros? Vejamos isso, examinando mais um pouco o significado de Zacarias, capítulo 12. Isso nos dará certeza de que ‘nenhuma arma será bem-sucedida’ contra os ungidos de Deus e seus dedicados associados.

10 Zacarias 12:3 indica que as nações “se arranharão severamente”. Como isso acontece? Bem, Deus decretou que as boas novas do Reino têm de ser pregadas, e as Testemunhas de Jeová levam a sério a obrigação de pregar. No entanto, a proclamação do Reino como única esperança da humanidade tornou-se “uma pedra pesada” para as nações. Elas procuram tirá-la do caminho por tentar impedir o trabalho dos pregadores do Reino. Ao fazerem isso, essas nações que interferem na pregação ‘se arranham severamente’, ficando com muitos cortes. Até mesmo têm manchado sua reputação à medida que sofrem humilhantes fracassos. Elas não podem silenciar os adoradores verdadeiros, que prezam o privilégio de proclamar as “boas novas eternas” do Reino messiânico de Deus antes do fim deste sistema mundial. (Revelação 14:6) De fato, ao ver a violência praticada contra servos de Jeová, um guarda de prisão num país africano disse: ‘Vocês desperdiçam esforços em perseguir essa gente. Eles nunca transigirão. Eles simplesmente aumentam.’

11 Leia Zacarias 12:4. Jeová promete simbolicamente cegar e ‘desnortear’ os que lutam contra seus corajosos mensageiros do Reino. Ele tem cumprido a sua palavra. Por exemplo, num país onde a adoração verdadeira estava proscrita, opositores não foram capazes de impedir o povo de Deus de obter alimento espiritual. Um jornal até mesmo disse que as Testemunhas de Jeová usavam balões para introduzir publicações bíblicas no país! A promessa de Deus a seus servos leais se confirmou: ‘Abrirei meus olhos e golpearei todo cavalo dos povos com a perda da vista.’ Cegos pela raiva, os inimigos do Reino não sabem que direção tomar. Estamos convencidos, porém, de que Jeová preservará seu povo como grupo e zelará pelo seu bem-estar. — 2 Reis 6:15-19.

12 Leia Zacarias 12:5, 6. A expressão “os xeques de Judá” se refere aos que supervisionam o povo de Deus. Jeová incute neles um zelo ardente a favor dos interesses terrestres de seu Reino. Numa ocasião, Jesus disse a seus discípulos: “Eu vim dar início a um fogo na terra.” (Lucas 12:49) De fato, ele iniciou um fogo figurativo. Por meio de sua zelosa pregação, Jesus fez com que o Reino de Deus se tornasse o assunto principal entre as pessoas. Isso provocou uma acalorada controvérsia em toda aquela nação judaica. (Mateus 4:17, 25; 10:5-7, 17-20) De modo similar, “como um braseiro entre as árvores e como uma tocha acesa entre gavelas de cereal recém-segado”, os seguidores dos passos de Cristo em nossos dias incendeiam as coisas de modo figurativo. Em 1917, o livro The Finished Mystery (O Mistério Consumado)* expôs sem rodeios a hipocrisia da cristandade. Isso produziu uma amarga reação da parte dos clérigos. Em tempos recentes, o Notícias do Reino N.° 37, com o título “O fim da religião falsa está próximo!”, levou muitas pessoas a tomar posição contra ou a favor do Reino de Deus.

Salvas “as tendas de Judá”

13 Leia Zacarias 12:7, 8. No Israel antigo, as tendas eram uma característica típica da região, usadas às vezes por pastores e agricultores. Caso uma nação inimiga atacasse a cidade de Jerusalém, essas pessoas seriam as primeiras afetadas e necessitariam de proteção. A expressão “as tendas de Judá” indica que, em sentido simbólico, o restante ungido em nossos tempos se encontra num lugar descampado, não numa cidade fortificada. Ali eles defendem corajosamente os interesses do Reino messiânico. Jeová dos exércitos salvará “primeiro as tendas de Judá”, pois estão na mira do ataque de Satanás.

14 Realmente, o registro histórico mostra que Jeová está defendendo esses embaixadores ungidos do Reino em suas “tendas” no lugar descampado.* Ele não os deixa ‘tropeçar’ por torná-los fortes e corajosos como Davi, o rei guerreiro.

15 Leia Zacarias 12:9. Por que Jeová procurará “aniquilar todas as nações”? Porque elas persistem em se opor ao Reino messiânico. Por hostilizarem e perseguirem o povo de Deus, já estão condenadas. Em breve, os agentes terrestres de Satanás realizarão um ataque final contra os verdadeiros adoradores de Deus, e serão conduzidos à situação mundial descrita na Bíblia como Har-Magedon. (Revelação 16:13-16) Reagindo a esse ataque, o Juiz Supremo defenderá seus servos e santificará seu nome entre as nações. — Ezequiel 38:14-18, 22, 23.

16 Satanás não possui arma capaz de enfraquecer a fé ou diminuir o zelo do povo de Deus em todo o mundo. Nossa paz espiritual, que resulta do poder de salvação de Jeová, é “a propriedade hereditária dos servos de Jeová”. (Isaías 54:17) Ninguém pode tirar à força a nossa paz e prosperidade espiritual. (Salmo 118:6) Satanás continuará a atiçar as chamas da oposição e a tentar incitar tribulação. Nossa perseverança leal, mesmo ao sermos vituperados, prova que temos o espírito de Deus. (1 Pedro 4:14) As boas novas do estabelecido Reino de Jeová estão sendo proclamadas no mundo inteiro. Como bombas de efeito moral, muitas simbólicas “pedras de funda” de oposição têm sido lançadas contra o povo de Deus. Contudo, na força de Jeová, seus servos vencem tais “pedras”, anulando seu efeito. (Zacarias 9:15) O restante ungido e seus leais companheiros não serão imobilizados!

17 Aguardamos o livramento total dos ataques do Diabo. Quanto consolo nos dá a garantia de que ‘nenhuma arma forjada contra nós será bem-sucedida, e que condenaremos toda e qualquer língua que se levantar contra nós em julgamento’!

[Nota(s) de rodapé]

Publicado pelas Testemunhas de Jeová, mas atualmente esgotado.

Para mais detalhes, veja o livro Testemunhas de Jeová — Proclamadores do Reino de Deus, páginas 675-6, publicado pelas Testemunhas de Jeová.

Como responderia?

• O que mostra que as armas de Satanás têm fracassado?

• Em que sentido a Jerusalém celestial se tornou “uma pedra pesada”?

• Como Jeová salva “as tendas de Judá”?

• Com a aproximação do Armagedom, que confiança você tem?

[Perguntas de Estudo]

1, 2. De que modo a experiência das Testemunhas de Jeová na Albânia ilustra a veracidade de Isaías 54:17?

3, 4. (a) O que está incluído entre as armas de Satanás? (b) De que modo as armas do Diabo têm fracassado?

 5. Que línguas falsas se levantaram contra os servos de Jeová no primeiro século?

6, 7. Qual é uma das maneiras pelas quais os cristãos verdadeiros condenam ataques verbais contra eles?

 8. (a) O que às vezes pode ser necessário para defender nossa posição baseada na Bíblia? (b) Imitando a Cristo, como podemos condenar línguas opositoras?

 9. Que Jerusalém é simbolizada pela “pedra pesada” mencionada em Zacarias 12:3, e quem a representa na Terra?

10. (a) Por que o povo de Deus é atacado? (b) O que tem acontecido com aqueles que tentam tirar do caminho a “pedra pesada”?

11. Como Deus tem cumprido sua promessa registrada em Zacarias 12:4?

12. (a) Em que sentido Jesus iniciou um fogo quando esteve na Terra? (b) Como o restante ungido tem incendiado as coisas de modo figurativo, e com que resultados?

13. O que indica a expressão “as tendas de Judá”, e por que Jeová salvará os que estiverem nelas?

14. Como Jeová defende aqueles nas “tendas de Judá” e não os deixa tropeçar?

15. Por que Jeová procurará “aniquilar todas as nações”, e quando fará isso?

16, 17. (a) O que é “a propriedade hereditária dos servos de Jeová”? (b) Nossa perseverança sob os ataques de Satanás é prova de quê?

[Fotos na página 21]

O povo de Jeová na Albânia permaneceu fiel apesar dos ataques de Satanás

[Foto na página 23]

Jesus refutou falsas acusações

[Fotos na página 24]

Nenhuma arma forjada contra os proclamadores das boas novas será bem-sucedida