A Palavra de Jeová É Viva

Destaques das cartas de João e de Judas

AS TRÊS cartas que o apóstolo João provavelmente escreveu em Éfeso, em 98 EC, estão entre os últimos livros que compõem as Escrituras inspiradas. As duas primeiras incentivam os cristãos a continuar a andar na luz e a resistir aos avanços da apostasia. Na terceira, João não apenas fala sobre andar na verdade, mas também incentiva a cooperação entre os cristãos.

Em sua carta escrita na Palestina, possivelmente em 65 EC, Judas, meio-irmão de Jesus, alerta os cristãos a respeito de pessoas perversas que se haviam infiltrado na congregação e dá conselhos sobre como resistir às más influências. Prestar atenção ao que dizem as três cartas de João e a de Judas pode nos ajudar a permanecer fortes na fé apesar de obstáculos. — Heb. 4:12.

PERSISTA EM ANDAR NA LUZ, NO AMOR E PELA

Direcionada à inteira associação dos que estão em união com Cristo, a primeira carta de João dá bons conselhos para ajudar os cristãos a resistir à apostasia e a permanecer firmes em favor da verdade e da justiça. Ele enfatiza a necessidade de persistir em andar na luz e no amor e pela fé.

“Se estivermos andando na luz, assim como [Deus] mesmo está na luz”, escreveu João, “temos parceria um com o outro”. E visto que Deus é a Fonte do amor, o apóstolo disse: “Continuemos a amar-nos uns aos outros.” Ao passo que ‘o amor que provém de Deus’ nos move a ‘observar seus mandamentos’, nós conquistamos o mundo por meio de “nossa fé” em Jeová Deus, na sua Palavra e no seu Filho. — 1 João 1:7; 4:7; 5:3, 4.

Perguntas bíblicas respondidas:

2:2; 4:10  Em que sentido Jesus é “um sacrifício propiciatório”? “Propiciar” pode significar “satisfazer” ou “tentar obter (de alguém) sua boa vontade”. Jesus deu sua vida como sacrifício propiciatório no sentido de que, por fazer isso, satisfez o requisito da justiça perfeita. Com base nesse sacrifício, Deus pode estender misericórdia e perdoar os pecados dos que exercem fé em Jesus. — João 3:16; Rom. 6:23.

2:7, 8  O que é o mandamento que João chama tanto de “antigo” como de “novo”? João se refere ao mandamento a respeito do abnegado amor fraternal. (João 13:34) Chama-o de “antigo” porque esse mandamento foi dado por Jesus mais de 60 anos antes de João ter escrito sua primeira carta inspirada. Assim, os que criam em Jesus tinham esse mandamento “desde o princípio” de sua vida como cristãos. É também “novo”, pois vai além de ‘amar ao próximo como a si mesmo’ e exige amor abnegado. — Lev. 19:18; João 15:12, 13.

3:2  O que “ainda não está manifesto” aos cristãos ungidos, e quem eles verão “assim como ele é”? O que ainda não está manifesto a eles é que aspecto terão quando forem ressuscitados para o céu, com corpos espirituais. (Fil. 3:20, 21) Mas eles sabem que, ‘quando Deus for manifestado, serão semelhantes a ele, pois o verão assim como ele é’, isto é “o Espírito”. — 2 Cor. 3:17, 18.

5:5-8  Como a água, o sangue e o espírito dão testemunho de que “Jesus é o Filho de Deus”? A água ‘dá testemunho’ porque, quando Jesus foi batizado em água, o próprio Jeová manifestou que o aprovava como Filho. (Mat. 3:17) O sangue, ou vida, de Jesus, entregue como “resgate correspondente por todos”, também indicou que Jesus é o Filho de Deus. (1 Tim. 2:5, 6) E o espírito santo testificou que Jesus é o Filho de Deus quando desceu sobre ele por ocasião de seu batismo, habilitando-o a percorrer “o país, fazendo o bem e sarando a todos os oprimidos pelo Diabo”. — João 1:29-34; Atos 10:38.

Lições para nós:

2:9-11; 3:15. O cristão que permite que algo ou alguém destrua seu amor fraternal anda na escuridão espiritual, sem saber para onde está indo.

PROSSIGA “ANDANDO NA VERDADE”

João começa sua segunda carta com estas palavras: “O ancião, à senhora escolhida e aos filhos dela.” Ele expressou alegria de encontrar “certos dos [seus] filhos andando na verdade”. — 2 João 1, 4.

Depois de incentivá-la a cultivar o amor, João escreveu: “O amor significa o seguinte: que prossigamos andando segundo os seus mandamentos.” João também alertou a respeito do “enganador e o anticristo”. — 2 João 5-7.

Perguntas bíblicas respondidas:

1, 13  Quem é a “senhora escolhida”? João talvez tenha se referido a uma mulher específica usando a palavra Kyria, que significa “senhora” em grego. Ou talvez tenha empregado uma figura de linguagem para se referir a determinada congregação, a fim de confundir os perseguidores. Nesta última hipótese, seus filhos seriam os membros dessa congregação e ‘os filhos da irmã dela’ seriam os membros de outra congregação.

7  A que ‘vinda’ de Jesus João se refere aqui, e em que sentido os enganadores “não confessam”, ou não reconhecem isso? Essa ‘vinda’ não se refere à futura, invisível, vinda de Jesus. Refere-se à sua vinda na carne e ao fato de ter sido ungido como Cristo. (1 João 4:2) Os enganadores não crêem nessa vinda na carne. Talvez até neguem que Jesus tenha existido ou rejeitem a idéia de que ele foi ungido com espírito santo.

Lições para nós:

2, 4. Conhecer a “verdade” (o conjunto dos ensinos cristãos que se tornaram parte da Bíblia), e aceitá-la, é essencial para nossa salvação. — 3 João 3, 4.

8-11. Se não quisermos perder a “benignidade imerecida, misericórdia e paz da parte de Deus, o Pai, e da parte de Jesus Cristo”, bem como a amorosa associação com os irmãos na fé, é preciso ‘nos acautelar’ contra uma possível perda de nossa espiritualidade e rejeitar os que ‘não permanecem no ensino do Cristo’. — 2 João 3.

“COLABORADORES NA VERDADE”

A terceira carta de João é dirigida a seu amigo Gaio. “Não tenho nenhuma causa maior para gratidão do que estas coisas”, escreveu, “de que eu esteja ouvindo que os meus filhos estão andando na verdade”. — 3 João 4.

João elogia Gaio por sua “obra fiel” de dar assistência a irmãos visitantes. “Temos a obrigação de receber a tais de modo hospitaleiro”, disse o apóstolo, “para que nos tornemos colaboradores na verdade”. — 3 João 5-8.

Perguntas bíblicas respondidas:

11  Por que alguns se envolvem em conduta? Por falta de espiritualidade, alguns não vêem a Deus com olhos de entendimento. Visto que não podem vê-lo com olhos literais, agem como se Deus não os estivesse vendo. — Eze. 9:9.

14  Quem são os chamados de “amigos”? O termo “amigos” aqui inclui mais do que aqueles que têm uma estreita relação entre si. João o usou para se referir aos concrentes em geral.

Lições para nós:

4. Pessoas espiritualmente maduras sentem grande alegria quando observam membros mais jovens na congregação “andando na verdade”. E que incomparável alegria os pais bem-sucedidos sentem em ajudar os filhos a se tornarem pessoas de inclinação espiritual!

5-8. Entre os que trabalham arduamente em favor de seus irmãos por amor a eles e a Jeová estão os superintendentes viajantes, missionários, betelitas e pioneiros em geral. A sua fé é digna de ser imitada, e eles merecem nosso amoroso apoio.

9-12. Devemos imitar o exemplo do fiel Demétrio, e não o do intrometido e caluniador Diótrefes.

“MANTENDE-VOS NO AMOR DE DEUS”

Os que se infiltraram na congregação são descritos por Judas como “resmungadores, queixosos de sua sorte na vida, procedendo segundo os seus próprios desejos”. Eles “falam coisas bombásticas, ao passo que admiram personalidades”. — Judas 4, 16.

Como os cristãos podem resistir às más influências? “Amados”, escreveu Judas, “recordai-vos das declarações feitas anteriormente pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo”. E acrescentou: “Mantende-vos no amor de Deus.” — Judas 17-21.

Perguntas bíblicas respondidas:

3, 4  Por que Judas exortou os cristãos a ‘travar uma luta árdua pela fé’? Porque ‘homens ímpios haviam se infiltrado na congregação’. Esses homens estavam ‘transformando a benignidade imerecida de Deus numa desculpa para conduta desenfreada’.

20, 21  Como podemos ‘nos manter no amor de Deus’? Podemos fazer isso de três maneiras: (1) edificar-nos na nossa “santíssima fé” por meio de estudo diligente da Palavra de Deus e ter zelo na obra de pregação; (2) orar “com espírito santo”, ou em harmonia com a sua influência e (3) exercer fé na provisão que possibilita a vida eterna: o sacrifício de resgate de Jesus Cristo. — João 3:16, 36.

Lições para nós:

5-7. Podem os perversos escapar da condenação de Jeová? De acordo com os três exemplos alertadores alistados por Judas, isso é impossível.

8-10. Devemos seguir o exemplo de Miguel, o arcanjo, e respeitar a autoridade constituída por Deus.

12. O amor fingido dos apóstatas é tão perigoso para nossa fé como os rochedos ocultos sob a água são para navios ou nadadores. Os falsos instrutores podem parecer generosos, mas em sentido espiritual são tão vazios como nuvens sem água. São tão infrutíferos como árvores mortas no fim do outono. Eles serão destruídos, assim como árvores desarraigadas. É sábio evitar apóstatas.

22, 23. Os cristãos verdadeiros odeiam o que é mau. Num esforço para salvar do fogo da destruição eterna “alguns que têm dúvidas”, pessoas maduras na congregação (em especial os superintendentes designados) lhes dão ajuda espiritual.

[Fotos na página 28]

Água, espírito e sangue dão testemunho de que “Jesus é o Filho de Deus”