Você Sabia?

O que Jesus quis dizer quando falou a Saulo: “Duro te é persistir em dar pontapés contra as aguilhadas”?  Atos 26:14.

Nos tempos bíblicos, os agricultores usavam aguilhadas para conduzir os animais de tração enquanto aravam. A aguilhada era uma vara comprida, talvez de uns 2,5 metros. Em uma das pontas havia um ferrão metálico. Caso o animal se jogasse contra a aguilhada, ele se machucaria. Na outra ponta, muitas vezes havia uma lâmina semelhante a uma talhadeira, que podia ser usada para remover lama, barro ou vegetação da relha de arado.

Às vezes, as aguilhadas eram usadas como armas. O juiz e guerreiro israelita Sangar matou 600 filisteus “com uma aguilhada de gado”. — Juízes 3:31.

As Escrituras também mencionam esse implemento agrícola em sentido figurado. Por exemplo, o Rei Salomão escreveu que as palavras do sábio podem ser “como aguilhadas”, incentivando um amigo a tomar a decisão certa. — Eclesiastes 12:11.

O ressuscitado Jesus fez uso dessa figura de linguagem. Ele aconselhou Saulo, que perseguia os cristãos, a parar de “dar pontapés contra as aguilhadas”. Essa expressão faz lembrar um animal teimoso que resiste às cutucadas da aguilhada de seu dono. Sabiamente, Saulo reagiu bem ao conselho de Jesus e mudou sua vida, tornando-se o apóstolo Paulo.

Como os judeus do primeiro século marcavam as horas à noite?

Os judeus do primeiro século EC podiam usar um relógio solar para medir a passagem do tempo num dia claro. Mas quando as nuvens bloqueavam o sol ou quando anoitecia, eles usavam a clepsidra, ou relógio de água. Além dos judeus, os egípcios, os persas, os gregos e os romanos da antiguidade também usavam esse instrumento.

Segundo a The Jewish Encyclopedia (Enciclopédia Judaica), tanto a Míxena como o Talmude mencionam a clepsidra “sob vários nomes, talvez para distinguir diferentes formas e modelos, mas todos significando uma coisa: a saída lenta da água, gota por gota — literalmente o roubo —, que é o significado de ‘clepsidra’ em grego”.

Como funcionava a clepsidra? A água escoava de um recipiente para outro através de uma pequena abertura no fundo. Um observador podia medir a passagem do tempo por verificar o nível da água tanto no recipiente superior como no inferior, sendo que os dois podiam ter marcações de medida.

Os acampamentos militares romanos usavam esses relógios para determinar as vigílias noturnas. A mudança de vigília era indicada por um toque de trombeta. Qualquer pessoa que ouvisse esse toque sabia quando começavam e quando terminavam as quatro vigílias. — Marcos 13:35.