Um sacerdócio real para beneficiar toda a humanidade

“Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial’.” — 1 PED. 2:9.

SABE EXPLICAR?

Quando se prometeu pela primeira vez um sacerdócio real?

Como o novo pacto produz o sacerdócio real?

Que benefícios o sacerdócio real trará para a humanidade?

NA NOITE de 14 de nisã de 33 EC, Jesus Cristo e seus 12 apóstolos celebraram a Páscoa judaica pela última vez. Depois de despedir o traidor Judas Iscariotes, Jesus instituiu uma celebração diferente, mais tarde chamada de “refeição noturna do Senhor”. (1 Cor. 11:20) Jesus disse duas vezes: ‘Persisti em fazer isso em memória de mim.’ Esse evento é também conhecido como Memorial, ou Comemoração, da morte de Cristo. (1 Cor. 11:24, 25) Em obediência a esse mandamento, as Testemunhas de Jeová em todo o mundo celebram a Comemoração anualmente. Em 2012, o 14 de nisã do calendário bíblico começa no pôr do sol da quinta-feira, 5 de abril.

2 O discípulo Lucas resume em dois versículos o que Jesus fez e disse naquela ocasião: “Tomou . . . um pão, deu graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: ‘Isto significa meu corpo que há de ser dado em vosso benefício. Persisti em fazer isso em memória de mim.’ Do mesmo modo também o copo, depois de terem tomado a refeição noturna, dizendo: ‘Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue, que há de ser derramado em vosso benefício.’” (Luc. 22:19, 20) Como os apóstolos entenderiam essas palavras?

3 Como judeus, os apóstolos conheciam bem os sacrifícios de animais que os sacerdotes ofereciam a Deus no templo em Jerusalém. Essas ofertas eram feitas para ganhar o favor de Jeová, e muitas delas serviam como simbólica cobertura de pecados. (Lev. 1:4; 22:17-29) Assim os apóstolos podiam entender que, quando Jesus disse que seu corpo seria “dado” e seu sangue “derramado” em benefício deles, ele queria dizer que daria sua própria vida perfeita como sacrifício. Seria um sacrifício de muito mais valor do que o de animais.

4 Que dizer das palavras de Jesus: “Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue”? Os apóstolos conheciam a profecia a respeito do novo pacto, registrada em Jeremias 31:31-33. (Leia.) As palavras de Jesus indicavam que naquela ocasião ele estava instituindo esse novo pacto, que substituiria o pacto da Lei que Jeová fizera com Israel por meio de Moisés. Havia alguma relação entre esses dois pactos?

5 Sim, seus objetivos estavam intimamente relacionados. Ao instituir o pacto da Lei, Jeová disse à nação: “Se obedecerdes estritamente à minha voz e deveras guardardes meu pacto, então vos haveis de tornar minha propriedade especial dentre todos os outros povos, pois minha é toda a terra. E vós mesmos vos tornareis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa.” (Êxo. 19:5, 6) O que essas palavras significariam para os israelitas?

A PROMESSA DE UM SACERDÓCIO REAL

6 Os israelitas entendiam o significado do termo “pacto”, pois Jeová havia feito acordos solenes dessa natureza com seus antepassados Noé e Abraão. (Gên. 6:18; 9:8-17; 15:18; 17:1-9) Como parte de seu pacto com Abraão, Jeová prometera: “Todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente.” (Gên. 22:18) O pacto da Lei deu sequência a essa promessa. Com base nesse pacto, Israel podia tornar-se “propriedade especial [de Jeová] dentre todos os outros povos”. Com que objetivo? ‘Tornar-se para Jeová um reino de sacerdotes.’

7 Os israelitas estavam familiarizados com reis e sacerdotes, mas Melquisedeque foi o único homem do passado que exerceu essas duas funções ao mesmo tempo, com a aprovação de Jeová. (Gên. 14:18) Jeová agora oferecia à nação a oportunidade de produzir “um reino de sacerdotes”. Como mais tarde indicaram certos escritos inspirados, isso significava a oportunidade de prover um sacerdócio real — reis que seriam também sacerdotes. — 1 Ped. 2:9.

8 Um rei, naturalmente, governa. Mas o que um sacerdote faz? Hebreus 5:1 explica: “Todo sumo sacerdote tomado dentre os homens é designado a favor dos homens sobre as coisas referentes a Deus, a fim de oferecer dádivas e sacrifícios pelos pecados.” Portanto, um sacerdote nomeado por Jeová representa pessoas pecaminosas perante Ele por meio de ofertas prescritas, intercedendo a Deus por elas. De modo inverso, o sacerdote também representa Jeová perante pessoas, instruindo-as na lei divina. (Lev. 10:8-11; Mal. 2:7) Dessas maneiras, um sacerdote designado por Deus trabalha para reconciliar pessoas com Deus.

9 Desse modo, o pacto da Lei oferecia a Israel a oportunidade de produzir um sacerdócio real que beneficiaria “todos os outros povos”. Mas essa espantosa perspectiva dependia de uma condição. “Se obedecerdes estritamente à minha voz e deveras guardardes meu pacto”, disse Deus. Poderiam os israelitas ‘obedecer estritamente a voz de Jeová’? Sim, até certo ponto. Poderiam fazer isso com perfeição? Não. (Rom. 3:19, 20) Por isso, no ínterim, Jeová estabeleceu um sacerdócio dentro de Israel, separado de qualquer realeza, para oferecer sacrifícios de animais pelos pecados que os israelitas inevitavelmente cometeriam. (Lev. 4:1–6:7) Esses pecados incluiriam os dos próprios sacerdotes. (Heb. 5:1-3; 8:3) Jeová aceitava esses sacrifícios, mas eles não podiam compensar plenamente os pecados dos ofertantes. O sacerdócio sob o pacto da Lei não podia reconciliar plenamente com Deus nem mesmo israelitas sinceros. Como o apóstolo Paulo o expressou: “Não é possível que o sangue de touros e de bodes tire pecados.” (Heb. 10:1-4) Na realidade, por violarem a Lei, os israelitas vieram a ficar sob maldição. (Gál. 3:10) Nessas condições, dificilmente poderiam prestar serviços ao mundo como sacerdócio real.

10 Será então que era vazia a promessa de Jeová de que eles poderiam prover “um reino de sacerdotes”? De modo algum. Se tentassem sinceramente obedecer, eles teriam essa oportunidade — mas não sob a Lei. Por que não? (Leia Gálatas 3:19-25.) Para os que se empenhavam sinceramente em obedecê-la, a Lei tinha o efeito de preservar a adoração pura. Conscientizava os judeus de suas transgressões e da necessidade de um sacrifício maior do que aquele que seu sumo sacerdote podia oferecer. A Lei era um tutor que os conduziria a Cristo, ou Messias, títulos que significam “Ungido”. No entanto, quando o Messias chegasse, ele instituiria o novo pacto, predito por Jeremias. Os que aceitassem a Cristo seriam convidados para fazer parte do novo pacto e efetivamente se tornariam “um reino de sacerdotes”. Vejamos como.

O NOVO PACTO PRODUZ UM SACERDÓCIO REAL

11 Em 29 EC, o Messias chegou na pessoa de Jesus de Nazaré. Com cerca de 30 anos, ele se apresentou para cumprir o propósito especial de Jeová para com ele, simbolizando isso pelo batismo em água. Jeová o reconheceu como “meu Filho, o amado”, ungindo-o, não com óleo, mas com espírito santo. (Mat. 3:13-17; Atos 10:38) Essa unção o constituiu Sumo Sacerdote e futuro Rei de todos os da família humana que cressem nele. (Heb. 1:8, 9; 5:5, 6) Ele seria a base para constituir, de fato, um sacerdócio real.

12 Como Sumo Sacerdote, que sacrifício Jesus podia oferecer para cobrir plenamente a herança de pecado dos que cressem? Conforme ele indicou ao instituir a Comemoração de sua morte, o sacrifício era a sua própria vida humana perfeita. (Leia Hebreus 9:11, 12.) Desde seu batismo em 29 EC, Jesus, como Sumo Sacerdote, sujeitou-se a testes e treinamento até a sua morte. (Heb. 4:15; 5:7-10) Após ser ressuscitado, ele subiu ao céu e apresentou o valor de seu sacrifício ao próprio Jeová. (Heb. 9:24) Depois, Jesus podia interceder a Jeová pelos que exercessem fé no seu sacrifício e ajudá-los a servir a Deus com a vida eterna em vista. (Heb. 7:25) O seu sacrifício serviu também para validar o novo pacto. — Heb. 8:6; 9:15.

13 Os convidados para integrar o novo pacto também seriam ungidos com espírito santo. (2 Cor. 1:21) De início foram incluídos judeus fiéis e, depois, gentios. (Efé. 3:5, 6) Quais eram as perspectivas dos integrantes do novo pacto? Eles receberiam o genuíno perdão de seus pecados. Jeová prometera: “Perdoarei seu erro e não me lembrarei mais do seu pecado.” (Jer. 31:34) Com o cancelamento legal de seus pecados, eles teriam como se tornar “um reino de sacerdotes”. Dirigindo-se a cristãos ungidos, Pedro escreveu: “Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz.” (1 Ped. 2:9) Pedro cita aqui as palavras de Jeová a Israel quando instituiu a Lei e as aplica a cristãos que fazem parte do novo pacto. — Êxo. 19:5, 6.

UM SACERDÓCIO REAL BENEFICIA TODA A HUMANIDADE

14 Onde os integrantes do novo pacto serviriam? Na Terra, onde, como grupo, serviriam como sacerdócio, representando a Jeová perante as pessoas por ‘divulgar Suas excelências’ e suprir alimento espiritual. (Mat. 24:45; 1 Ped. 2:4, 5) Depois de sua morte e ressurreição, serviriam com Cristo no céu como reis e sacerdotes, exercendo cabalmente essas duas funções. (Luc. 22:29; 1 Ped. 1:3-5; Rev. 1:6) Confirmando isso, o apóstolo João observou em visão um grande número de criaturas espirituais perto do trono de Jeová no céu. Em “um novo cântico” dirigido ao “Cordeiro”, elas cantam: “Com o teu sangue compraste pessoas para Deus, dentre toda tribo, e língua, e povo, e nação, e fizeste deles um reino e sacerdotes para o nosso Deus, e hão de reinar sobre a terra.” (Rev. 5:8-10) Numa visão posterior, João diz a respeito desses governantes: “Serão sacerdotes de Deus e do Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos.” (Rev. 20:6) Junto com Cristo, eles formam um sacerdócio real em benefício de toda a humanidade.

15 Que benefícios os 144 mil trarão para os na Terra? Revelação, capítulo 21, retrata-os como cidade celestial, a Nova Jerusalém, chamada de “esposa do Cordeiro”. (Rev. 21:9) Os versículos 2 a 4 dizem: “Vi também a cidade santa, Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para seu marido. Com isso ouvi uma voz alta do trono dizer: ‘Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.’” Que bênçãos maravilhosas! A eliminação da morte removerá a causa principal de lágrimas, pranto, clamor e dor. Significará elevar humanos fiéis à perfeição, reconciliando-os plenamente com Deus.

16 Numa descrição adicional das bênçãos que esse sacerdócio real trará, Revelação 22:1, 2 diz: “Ele me mostrou um rio de água da vida, límpido como cristal, correndo desde o trono de Deus e do Cordeiro, pelo meio de sua rua larga [da Nova Jerusalém]. E deste lado do rio e daquele lado havia árvores da vida, produzindo doze safras de frutos, dando os seus frutos cada mês. E as folhas das árvores eram para a cura das nações.” Com essas provisões simbólicas, ‘as nações’, ou famílias da humanidade, serão totalmente curadas da imperfeição herdada de Adão. De fato, ‘as coisas anteriores terão passado’.

O SACERDÓCIO REAL TERMINA SUA TAREFA

17 No fim de mil anos de serviços benéficos, o sacerdócio real terá elevado seus súditos terrestres à perfeição humana. Então, como Sumo Sacerdote e Rei, Cristo apresentará a Jeová a família humana completamente restaurada. (Leia 1 Coríntios 15:22-26.) O sacerdócio real terá cumprido plenamente o seu objetivo.

18 Depois disso, como Jeová usará esses associados de Cristo altamente privilegiados? De acordo com Revelação 22:5, “eles reinarão para todo o sempre”. Sobre quem? A Bíblia não diz. Mas a sua qualidade de vida e a experiência em ajudar um mundo de pessoas imperfeitas os qualificarão para manter eternamente uma posição régia nos propósitos de Jeová.

19 Teremos esses ensinos bíblicos em mente ao nos reunirmos para a Comemoração da morte de Jesus, na quinta-feira, 5 de abril de 2012. O pequeno restante de cristãos ungidos ainda na Terra tomarão dos emblemas (pão não fermentado e vinho tinto), indicando que fazem parte do novo pacto. Esses símbolos do sacrifício de Cristo os lembrará de seus extraordinários privilégios e responsabilidades no propósito eterno de Deus. Estejamos todos presentes à Comemoração com profundo apreço pela provisão divina de um sacerdócio real em benefício de toda a humanidade.

[Perguntas de Estudo]

 1. Por que a “refeição noturna do Senhor” é também chamada de Memorial, e qual é seu objetivo?

 2. O que Jesus disse acerca dos emblemas que usou?

 3. Que significado os emblemas teriam para os apóstolos?

 4. O que Jesus queria dizer com a expressão: “Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue”?

 5. Que perspectivas o pacto da Lei oferecia a Israel?

 6. A que promessa o pacto da Lei deu sequência?

 7. O que significava a expressão “um reino de sacerdotes”?

 8. Que serviços prestam os sacerdotes designados por Deus?

 9. (a) Sob que condição Israel poderia tornar realidade a promessa de prover “um reino de sacerdotes”? (b) Por que Jeová estabeleceu um sacerdócio dentro de Israel? (c) O que impediu Israel de prover “um reino de sacerdotes” sob o pacto da Lei?

10. A que objetivo serviu o pacto da Lei?

11. Como Jesus se tornou a base de um sacerdócio real?

12. O que o sacrifício de Jesus tornou possível?

13. Que perspectivas tinham os que foram convidados a fazer parte do novo pacto?

14. Onde o sacerdócio real serviria?

15, 16. Que benefícios o sacerdócio real trará à humanidade?

17. O que o sacerdócio real por fim realizará?

18. Depois de o sacerdócio real ter terminado a sua tarefa, como Jeová usará os associados de Cristo?

19. Do que serão lembrados os que assistirem à Comemoração?

[Foto na página 29]

O sacerdócio real trará benefícios eternos para a humanidade