Permita que Jeová o conduza à verdadeira liberdade

“[Olhe] de perto para a lei perfeita que pertence à liberdade.” — TIA. 1:25.

SABE EXPLICAR?

Que lei conduz à verdadeira liberdade, e quem se beneficia dessa lei?

Qual é o segredo de ganhar a verdadeira liberdade?

Que liberdade terão os que permanecem no caminho da vida?

VIVEMOS em tempos de crescente ganância, desrespeito à lei e violência. (2 Tim. 3:1-5) Diante disso, os governos fazem mais leis, fortalecem as forças policiais e instalam sistemas de vigilância eletrônica. Em alguns países, os cidadãos procuram aumentar sua segurança instalando alarmes nas suas casas, além de fechaduras extras e até mesmo cercas elétricas. Muitos não saem à noite ou não deixam seus filhos brincar fora de casa sem supervisão — nem mesmo de dia. Obviamente, a liberdade está diminuindo e essa tendência com certeza continuará.

2 No jardim do Éden, Satanás afirmou que a chave para a verdadeira liberdade é ser independente de Jeová. Que maldosa e enorme mentira! Quanto mais as pessoas desrespeitam os limites morais e espirituais fixados por Deus, tanto mais a sociedade como um todo sofre. Essa piora de condições também afeta os servos de Jeová. No entanto, temos a esperança de ver o fim da escravidão da humanidade ao pecado e à corrupção e de ter o que a Bíblia chama de “liberdade gloriosa dos filhos de Deus”. (Rom. 8:21) Na verdade, Jeová já começou a preparar seus servos para essa liberdade. Como?

3 A resposta está no que o escritor bíblico Tiago chamou de “lei perfeita que pertence à liberdade”. (Leia Tiago 1:25.) Outras versões da Bíblia traduzem essa frase assim: “A lei perfeita que dá liberdade às pessoas” (Bíblia na Linguagem de Hoje) e “a lei perfeita da liberdade” (Bíblia Vozes). É óbvio que, em geral, as pessoas associam lei com restrições, não com liberdade. Mas o que é “a lei perfeita que pertence à liberdade”? E como essa lei nos liberta?

A LEI QUE LIBERTA

4 “A lei perfeita que pertence à liberdade” não é a Lei mosaica, pois esse código tornou manifestas as transgressões e se cumpriu em Cristo. (Mat. 5:17; Gál. 3:19) Então, a que lei Tiago se referia? Ele tinha em mente “a lei do Cristo”, também chamada de “lei da fé” e “lei dum povo livre”. (Gál. 6:2; Rom. 3:27; Tia. 2:12) “A lei perfeita”, portanto, engloba tudo o que Jeová requer de nós. Tanto os cristãos ungidos como as “outras ovelhas” se beneficiam dela. — João 10:16.

5 Diferentemente das leis de muitos países, “a lei perfeita” não é complexa nem opressiva, mas consiste em mandamentos simples e princípios básicos. (1 João 5:3) “O meu jugo é benévolo e minha carga é leve”, disse Jesus. (Mat. 11:29, 30) Além disso, “a lei perfeita” não precisa de uma longa lista de sanções, ou penalidades, pois é fundada no amor e gravada em mentes e corações, não em tábuas de pedra. — Leia Hebreus 8:6, 10.

COMO “A LEI PERFEITA” NOS LIBERTA

6 Os limites fixados por Jeová para suas criaturas inteligentes visam beneficiá-las e protegê-las. Veja, por exemplo, as leis físicas que governam a energia e a matéria. As pessoas não se sentem oprimidas por essas leis. Em vez disso, elas as valorizam, reconhecendo que as leis naturais são essenciais para seu bem-estar. Da mesma forma, os padrões morais e espirituais de Jeová, refletidos na “lei perfeita” de Cristo, são em benefício dos humanos.

7 Além de ser uma proteção, a lei da liberdade nos permite satisfazer todos os nossos desejos corretos sem nos prejudicar ou sem usurpar os direitos e liberdades de outros. Portanto, o segredo para sermos realmente livres — poder fazer o que desejamos — é cultivar os desejos corretos, compatíveis com a personalidade e os padrões de Jeová. Em outras palavras, temos de aprender a amar o que Jeová ama e odiar o que ele odeia, algo que a lei da liberdade nos ajuda a fazer. — Amós 5:15.

8 Na nossa condição imperfeita, nós lutamos para vencer desejos errados. No entanto, ao obedecermos lealmente à lei da liberdade, provamos agora mesmo os seus poderes libertadores. Para ilustrar: Jay, quando começou a estudar a Bíblia, fumava. Ao aprender que seu vício desagradava a Deus, ele teve de tomar uma decisão. Continuaria a se submeter ao seu corpo ou se sujeitaria a Jeová? Com sabedoria, ele escolheu servir a Deus, embora sofresse muito com a falta de nicotina. Como ele se sentiu depois de vencer o vício? “Eu me senti maravilhosamente livre e super alegre”, disse ele mais tarde.

9 Jay aprendeu por experiência própria que as liberdades do mundo, que permitem à pessoa ‘ter a mentalidade segundo a carne’, na realidade escravizam. Por outro lado, as liberdades de Jeová, que significam ter “a mentalidade segundo o espírito”, libertam e conduzem à “vida e paz”. (Rom. 8:5, 6) Onde Jay encontrou a força para vencer seu vício escravizante? Não dentro de si; ela veio de Deus. “Eu estudava a Bíblia regularmente, orava por espírito santo e aceitava a amorosa ajuda que a congregação cristã de bom grado me oferecia”, disse ele. Essas mesmas provisões podem ajudar a todos nós na busca de verdadeira liberdade. Vejamos como.

OLHE DE PERTO A PALAVRA DE DEUS

10 Tiago 1:25 diz: “Aquele que olha de perto para a lei perfeita que pertence à liberdade e que persiste nisso, este, porque se tornou . . . fazedor da obra, será feliz em fazê-la.” A palavra grega original traduzida ‘olhar de perto’ significa “abaixar-se para ver bem”, o que implica esforço concentrado. Se queremos que a lei da liberdade afete nossa mente e coração, temos de estudar a Bíblia com diligência e meditar com oração no que lemos. — 1 Tim. 4:15.

11 Ao mesmo tempo, temos de ‘persistir’, ou perseverar, em aplicar a Palavra de Deus, fazendo da verdade o nosso modo de vida. Jesus disse algo semelhante para alguns que criam nele: “Se permanecerdes na minha palavra, sois realmente meus discípulos, e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:31, 32) “Conhecer”, diz certa obra de referência, aqui significa também ter apreço pois “o que é ‘conhecido’ é de valor ou importância para aquele que conhece”. Assim, nós ‘conhecemos’ a verdade no pleno sentido quando fazemos dela o nosso modo de vida. Nesse caso, podemos dizer com razão que ‘a palavra de Deus opera’ em nós, moldando nossa personalidade para refletirmos melhor o nosso Pai celestial. — 1 Tes. 2:13.

12 Pergunte-se: ‘Será que realmente conheço a verdade? Fiz dela meu modo de vida? Ou ainda anseio algumas “liberdades” do mundo?’ Recordando sua juventude, uma irmã criada por pais cristãos escreveu: “Quando alguém é criado na verdade, Jeová está sempre presente, por assim dizer. Mas eu realmente nunca cheguei a conhecê-lo. Nunca aprendi a odiar o que ele odeia. Nunca acreditei que Jeová se importasse com o que eu fazia. E nunca aprendi a procurá-lo nas dificuldades. Eu confiava no meu próprio entendimento, que agora sei que era ridículo, pois eu não sabia nada.” Felizmente, mais tarde ela percebeu que seu modo de pensar era muito errado e fez grandes mudanças. Até mesmo passou a servir como pioneira regular.

O ESPÍRITO SANTO PODE AJUDAR A LIBERTÁ-LO

13 Em 2 Coríntios 3:17, lemos: “Onde estiver o espírito de Jeová, ali há liberdade.” Como o espírito santo contribui para a nossa liberdade? Entre outras coisas, ele produz em nós qualidades essenciais à liberdade — “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, brandura, autodomínio”. (Gál. 5:22, 23) Sem essas qualidades, em especial o amor, nenhuma sociedade pode ser genuinamente livre — um fato óbvio no mundo de hoje. É interessante que, depois de alistar os aspectos do fruto do espírito, o apóstolo Paulo acrescentou: “Contra [esses] não há lei.” O que ele quis dizer? O fruto do espírito de Deus não é restrito por alguma lei que limite seu desenvolvimento. (Gál. 5:18) Afinal, qual seria o sentido de uma lei assim? A vontade de Jeová é que cultivemos qualidades cristãs para sempre e as demonstremos sem restrições.

14 Os que são dominados pelo espírito do mundo e se entregam a desejos carnais talvez pensem que são livres. (Leia 2 Pedro 2:18, 19.) Mas a realidade é exatamente o oposto. São necessárias montanhas de regras e regulamentos para coibir seus apetites e conduta prejudiciais. “A lei é promulgada, não para o justo, mas para os que são contra a lei e os indisciplinados”, diz Paulo. (1 Tim. 1:9, 10) Eles são também escravos do pecado, levados a praticar “as coisas da vontade da carne”, um amo cruel. (Efé. 2:1-3) De certo modo, tais pessoas são como insetos que entram num pote de mel. Levados por seu apetite, logo ficam atolados. — Tia. 1:14, 15.

LIBERTADOS NA CONGREGAÇÃO CRISTÃ

15 Ao passar a se associar com a congregação cristã, você não ingressou em algum tipo de clube social. Você entrou na congregação porque Jeová o atraiu. (João 6:44) O que moveu Deus a fazer isso? Será que viu em você uma pessoa justa, temente a ele? “De modo algum!”, você talvez diga. O que, então, Deus viu? Ele viu um coração que seria receptivo à Sua lei libertadora e que se submeteria à Sua bondosa influência. Na congregação, seu coração foi educado por Jeová por meio de alimento espiritual. Deus libertou você de falsidades religiosas e superstições e o ensinou a desenvolver a personalidade cristã. (Leia Efésios 4:22-24.) Assim você tem o privilégio de fazer parte do único povo no mundo que pode com razão ser chamado de “povo livre”. — Tia. 2:12.

16 Considere: quando você está na companhia dos que amam a Jeová de todo o coração, sente medo? Está sempre olhando para trás? Ao conversar com os irmãos no Salão do Reino, fica segurando seus pertences para que não desapareçam? Pelo contrário! Você se sente à vontade e livre. Seria assim num evento secular? Provavelmente, não! E essa liberdade que você sente agora entre o povo de Deus é apenas um antegosto da liberdade futura.

“A LIBERDADE GLORIOSA  DOS FILHOS DE DEUS”

17 Ao falar da liberdade que Jeová tem em reserva para seus servos terrestres, Paulo escreveu: “A expectativa ansiosa da criação está esperando a revelação dos filhos de Deus.” Daí acrescentou: “A própria criação também será liberta da escravização à corrupção e terá a liberdade gloriosa dos filhos de Deus.” (Rom. 8:19-21) “Criação” refere-se aos humanos que têm esperança terrestre, que se beneficiarão de uma “revelação” dos filhos de Deus ungidos por espírito. Essa revelação começará quando esses “filhos”, ressuscitados ao domínio espiritual, participarem com Cristo em livrar a Terra da perversidade e em preservar “uma grande multidão” para a entrada no novo mundo. — Rev. 7:9, 14.

18 A humanidade salva terá então uma liberdade totalmente nova — a liberdade da influência de Satanás e dos demônios. (Rev. 20:1-3) Que alívio isso será! Depois, os 144 mil reis e sacerdotes que atuam com Cristo continuarão a libertar a humanidade aplicando progressivamente os benefícios do sacrifício de resgate até a eliminação total do pecado adâmico e da imperfeição. (Rev. 5:9, 10) Tendo sido fiéis mesmo sob prova, os humanos alcançarão a perfeita liberdade que Jeová se propôs a lhes dar — “a liberdade gloriosa dos filhos de Deus”. Pense! Você não vai mais lutar para fazer o que é certo aos olhos de Deus, pois seu inteiro organismo terá sido aperfeiçoado e sua personalidade terá sido plenamente transformada segundo a imagem de Deus.

19 Você anseia “a liberdade gloriosa dos filhos de Deus”? Em caso afirmativo, permita que sua mente e coração continuem a ser influenciados pela “lei perfeita que pertence à liberdade”. Estude com afinco as Escrituras! Viva a verdade, tornando-a parte de sua vida. Ore por espírito santo. Tire pleno benefício da congregação cristã e do alimento espiritual que Jeová provê. Não permita que Satanás o engane, como fez com Eva, levando-o a pensar que os caminhos de Deus são muito restritivos. O Diabo pode ser muito esperto. Mas, como veremos no próximo artigo, não precisamos ser “sobrepujados por Satanás, pois não desconhecemos os seus desígnios”. — 2 Cor. 2:11.

[Perguntas de Estudo]

1, 2. (a) O que está acontecendo com as liberdades do mundo, e por quê? (b) Que liberdade terão os servos de Jeová?

 3. Que lei Jeová deu aos seguidores de Cristo, e que perguntas consideraremos?

 4. O que é “a lei perfeita que pertence à liberdade”, e quem se beneficia dela?

 5. Por que a lei da liberdade não é opressiva?

6, 7. O que se pode dizer sobre os padrões de Jeová, e por que a lei da liberdade é libertadora?

8, 9. Como se beneficiam os que obedecem à lei da liberdade? Dê um exemplo.

10. O que significa ‘olhar de perto’ para a lei de Deus?

11, 12. (a) Como Jesus enfatizou a necessidade de fazer da verdade o nosso modo de vida? (b) Conforme ilustrado acima, que perigo os jovens em especial devem evitar?

13. Como o espírito santo de Deus ajuda a nos libertar?

14. De que maneiras o espírito do mundo escraviza os que se submetem a ele?

15, 16. De que valor é a nossa associação com a congregação, e que liberdade temos?

17. Que relação a liberdade dos humanos tem com a “revelação dos filhos de Deus”?

18. Como a liberdade dos humanos obedientes aumentará, e que liberdade finalmente terão?

19. O que temos de fazer para permanecer no caminho à verdadeira liberdade?

[Fotos na página 9]

Será que ainda anseio algumas “liberdades” do mundo?

[Fotos na página 9]

Tenho feito da verdade meu modo de vida?