VOCÊ SABIA?

Por que a antiga Nínive era chamada de “cidade de derramamento de sangue”?

Relevo de guerreiros carregando cabeças de prisioneiros e jogando-as numa pilha

Nínive era a capital do Império Assírio. Era uma cidade poderosa, com palácios e templos magníficos, ruas largas e muralhas maciças. O profeta hebreu Naum se referiu a ela como a “cidade de derramamento de sangue”. — Naum 3:1.

Essa era uma descrição apropriada, pois relevos do palácio de Senaqueribe, em Nínive, comprovam a crueldade dos assírios. Um desses relevos retrata um torturador arrancando a língua de um prisioneiro que tinha sido cravado no chão. Em suas inscrições, os assírios se vangloriavam de mostrar cativos sendo conduzidos por cordas presas a ganchos que perfuravam seu nariz e seus lábios. Os oficiais presos eram obrigados a usar as cabeças decepadas de seus reis penduradas no pescoço, como colares grotescos.

O assiriologista Archibald Henry Sayce descreve as barbaridades que aconteciam depois que uma cidade era tomada: “Pirâmides de cabeças humanas marcavam o caminho do conquistador; meninos e meninas eram queimados vivos ou separados para algo ainda pior; homens eram empalados, esfolados vivos, cegados, ou tinham as mãos, os pés, as orelhas e o nariz arrancados.”

Por que os judeus construíam um parapeito em volta do terraço de suas casas?

Deus ordenou aos judeus: “Caso construas uma casa nova, tens de fazer também um parapeito para o teu terraço, a fim de que não ponhas culpa de sangue sobre a tua casa porque alguém caindo se precipite dela.” (Deuteronômio 22:8) O parapeito era uma medida de segurança necessária, visto que as famílias judaicas nos tempos bíblicos usavam bastante o terraço de suas casas.

A maioria das casas dos israelitas tinha um terraço. Era um lugar ideal para passar tempo ao sol, tomar ar fresco ou fazer tarefas domésticas. No verão, era um lugar confortável para dormir. (1 Samuel 9:26) Os agricultores usavam o terraço para secar hastes de linho, grãos antes de serem moídos, figos e uvas. — Josué 2:6.

O terraço também era usado para adoração, tanto a verdadeira como a idólatra. (Neemias 8:16-18; Jeremias 19:13) O apóstolo Pedro subiu ao terraço ao meio-dia para orar. (Atos 10:9-16) Se tivesse sombra de trepadeiras ou de folhas de palmeira, o terraço devia ser agradável para descansar.

A obra The Land and the Book (A Terra e o Livro) diz que as casas dos israelitas tinham lances de escada ou uma escada de mão para subir ao terraço, “do lado de fora da casa, mas dentro do pátio externo”. Assim, o morador podia sair do terraço sem ter de entrar na casa. Talvez isso explique o aviso de Jesus sobre a urgência de fugir de uma cidade condenada: “O homem que estiver no alto da casa não desça para tirar de sua casa os bens.” — Mateus 24:17.

[Foto na página 10]

Relevo de guerreiros carregando cabeças de prisioneiros e jogando-as numa pilha

[Crédito]

Erich Lessing/Art Resource, NY

[Foto na página 10]