[Foto na página 18]

Consideremos e encorajemos uns aos outros

“Consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos ao amor e a obras excelentes.” — HEB. 10:24.

COMO RESPONDERIA?

O que significa ‘considerar uns aos outros’?

Como podemos ‘nos estimular ao amor e a obras excelentes’?

Como podemos ‘encorajar uns aos outros’?

QUANDO o regime nazista entrou em colapso no fim da Segunda Guerra Mundial, foi dada uma ordem para eliminar milhares de prisioneiros que ainda restavam nos campos de concentração. Os prisioneiros do campo de Sachsenhausen seriam levados para portos marítimos e colocados em navios que seriam afundados no mar. Isso fazia parte de uma estratégia que mais tarde ficou conhecida como marchas da morte.

2 Trinta e três mil dos prisioneiros do campo de concentração de Sachsenhausen deveriam marchar 250 quilômetros até Lübeck, uma cidade portuária na Alemanha. Entre eles havia 230 Testemunhas de Jeová de seis países, que receberam ordens de marchar juntos. Todos os irmãos já estavam enfraquecidos pela fome e por doenças. Como eles conseguiram sobreviver à marcha? “O tempo todo ficávamos dizendo uns aos outros para não desistir”, disse um deles. Junto com o “poder além do normal” dado por Deus, seu amor uns pelos outros os ajudou a sobreviver àquela terrível provação. — 2 Cor. 4:7.

3 Hoje não estamos numa marcha assim, mas enfrentamos muitos desafios. Depois do estabelecimento do Reino de Deus em 1914, Satanás foi expulso do céu e confinado à vizinhança da Terra, tendo “grande ira, sabendo que ele tem um curto período de tempo”. (Rev. 12:7-9, 12) À medida que este mundo se aproxima do Armagedom, Satanás usa provações e pressões para tentar nos enfraquecer espiritualmente. Além disso, há as pressões do dia a dia. (Jó 14:1; Ecl. 2:23) Às vezes, o efeito cumulativo de nossas dificuldades pode nos desgastar tanto que qualquer força emocional e espiritual que possamos reunir não será suficiente para lidar com o desânimo. Veja o caso de um irmão que por muitas décadas ajudou a muitos em sentido espiritual. Na idade avançada, ele e sua esposa enfrentaram problemas de saúde e ele ficou muito desanimado. Assim como esse irmão, todos nós precisamos do “poder além do normal” que vem de Jeová, bem como de encorajamento mútuo.

4 Se havemos de ser uma fonte de encorajamento para outros, temos de levar a sério a exortação do apóstolo Paulo aos cristãos hebreus. Ele disse: “Consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos ao amor e a obras excelentes, não deixando de nos ajuntar, como é costume de alguns, mas encorajando-nos uns aos outros, e tanto mais quanto vedes chegar o dia.” (Heb. 10:24, 25) Como podemos aplicar o conselho contido nessas significativas palavras?

‘CONSIDEREM UNS AOS OUTROS’

5 ‘Considerar uns aos outros’ significa “levar em conta as necessidades de outros, pensar neles”. Será que estaríamos mesmo considerando as necessidades de outros se nosso contato com eles se limitasse a um rápido cumprimento no Salão do Reino ou a uma conversa apenas sobre assuntos triviais? De modo algum. Naturalmente, desejamos ‘cuidar de nossos próprios negócios’ e não nos ‘intrometer nos assuntos dos outros’. (1 Tes. 4:11; 1 Tim. 5:13) No entanto, se queremos encorajar nossos irmãos, precisamos realmente conhecê-los — sua situação na vida, suas qualidades, sua espiritualidade, seus pontos fortes e suas fraquezas. Eles devem nos encarar como amigos e ter a confirmação de que os amamos. Para isso é preciso passar tempo com eles — não apenas quando enfrentam problemas e ficam desanimados, mas também em outras ocasiões. — Rom. 12:13.

6 Os anciãos na congregação são exortados a ‘pastorear o rebanho de Deus, que está aos seus cuidados’, fazendo isso ‘espontaneamente e com anelo’. (1 Ped. 5:1-3) Como podem realizar um bom pastoreio a menos que de fato conheçam as ovelhas aos seus cuidados? (Leia Provérbios 27:23.) Se os anciãos são acessíveis aos irmãos e gostam de estar com eles, é mais provável que as ovelhas peçam ajuda quando precisarem. Além disso, os irmãos estarão mais inclinados a revelar seus reais sentimentos e preocupações, habilitando assim os anciãos a ‘considerar’ os que estão aos seus cuidados e dar a ajuda necessária.

7 Ao se dirigir à congregação em Tessalônica, Paulo disse: “Amparai os fracos.” (Leia 1 Tessalonicenses 5:14.) Em certo sentido, as “almas deprimidas” estão fracas, assim como os desanimados. Provérbios 24:10 diz: “Mostraste-te desanimado no dia da aflição? Teu poder será escasso.” As palavras de uma pessoa muito desanimada podem tornar-se “conversa irrefletida”. (Jó 6:2, 3) Ao ‘considerar’ tais pessoas, temos de ter em mente que aquilo que elas dizem talvez não seja um reflexo exato do que realmente são no coração. Rachelle, cuja mãe passou por uma depressão profunda, aprendeu isso por experiência própria. Ela diz: “Minha mãe muitas vezes dizia coisas que me magoavam muito. Na maioria das vezes, eu tentava lembrar a mim mesma que tipo de pessoa minha mãe realmente era — amorosa, bondosa e generosa. Aprendi que pessoas deprimidas dizem muitas coisas que na realidade não querem dizer. A pior coisa que alguém pode fazer é pagar na mesma moeda.” Provérbios 19:11 diz: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.”

8 Como podemos ‘considerar’ alguém que está abatido devido à vergonha e ao desespero que ainda sente por causa de uma transgressão do passado, mesmo que tenha tomado medidas para corrigir as coisas? Veja o que Paulo escreveu a respeito de um transgressor arrependido em Corinto: “Deveis perdoar-lhe bondosamente e deveis consolá-lo, para que tal homem não seja de algum modo tragado pela sua excessiva tristeza. Exorto-vos, portanto, a que confirmeis o vosso amor por ele.” (2 Cor. 2:7, 8) Segundo um léxico, o verbo traduzido ‘confirmar’ significa “ratificar, validar, tornar legalmente firmado”. Não podemos simplesmente presumir que a pessoa reconheça nosso amor e preocupação por ela. Ela precisa ver isso demonstrado por meio de nossa atitude e ações.

‘ESTIMULEM-SE AO AMOR E A OBRAS EXCELENTES’

9 “Consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos ao amor e a obras excelentes”, escreveu Paulo. Quando um fogo está quase se apagando, talvez tenhamos de abanar as brasas e atiçar as chamas. (2 Tim. 1:6) Do mesmo modo, podemos amorosamente estimular nossos irmãos a demonstrar seu amor a Deus e ao próximo. Elogios apropriados são essenciais para motivar outros a realizar obras excelentes.

[Foto na página 20]
Participe com outros no serviço de campo

10 Todos nós precisamos de elogios, quer estejamos desanimados, quer não. “Meu pai nunca elogiava nada que eu fazia. Por isso cresci sem autoestima. . . . Embora eu já tenha 50 anos, ainda gosto que meus amigos me assegurem que estou me saindo bem como ancião. . . . Aprendi por experiência própria como é importante encorajar os outros e faço um esforço especial para fazer isso.” O elogio pode estimular a todos — incluindo os pioneiros, os idosos e os que talvez estejam desanimados. — Rom. 12:10.

[Foto na página 20]
Estimule-os ao amor e a obras excelentes

11 Quando ‘os que têm qualificações espirituais tentam reajustar alguém que deu um passo em falso’, conselhos amorosos e elogios apropriados podem motivar o transgressor a voltar a praticar obras excelentes. (Gál. 6:1) Foi isso que aconteceu com uma irmã chamada Miriam. Ela escreveu: “Passei por um período traumático na minha vida quando uns amigos achegados deixaram a congregação e, na mesma época, meu pai teve uma hemorragia cerebral. Fiquei muito deprimida. Na tentativa de superar minha depressão, comecei a namorar alguém que não era Testemunha de Jeová.” Isso fez com que Miriam se sentisse indigna do amor de Jeová e ela pensou em abandonar a verdade. Quando um ancião lembrou a ela o seu passado de serviço fiel, isso a sensibilizou. Ela deu aos anciãos uma oportunidade de assegurá-la do amor de Jeová. Com isso, seu amor foi reavivado. Miriam terminou seu relacionamento com o descrente e continuou a servir a Jeová.

12 Envergonhar uma pessoa fazendo comparações injustas, criticá-la por não seguir nossos padrões rígidos ou fazê-la sentir-se culpada por não fazer mais no serviço de Deus pode motivá-la a de repente incrementar suas atividades, mas os resultados são apenas temporários. Por outro lado, elogiar um irmão e apelar para seu amor a Deus pode ter um efeito duradouro e positivo. — Leia Filipenses 2:1-4.

‘ENCORAJEM UNS AOS OUTROS’

[Foto na página 21]
Tenha bom companheirismo

13 Precisamos ‘encorajar-nos uns aos outros tanto mais quanto vemos chegar o dia’. Encorajar outros envolve motivá-los a prosseguir no seu serviço a Deus. Ao passo que estimular outros ao amor e a obras excelentes é comparável a atiçar um fogo prestes a se apagar, encorajar outros é como colocar combustível no fogo para mantê-lo aceso ou aumentar sua intensidade. Isso requer fortalecer e consolar os abatidos. Quando temos uma oportunidade de encorajar alguém nessa situação precisamos falar de modo caloroso e gentil. (Pro. 12:18) Além do mais, ‘sejamos rápidos no ouvir’ e ‘vagarosos no falar’. (Tia. 1:19) Se ouvirmos com empatia, talvez possamos identificar situações que desanimam um cristão e dizer algo que o ajude a lidar com suas circunstâncias.

14 Veja como um ancião compassivo pôde ajudar um irmão que já estava inativo por vários anos. Ao passo que o ancião o escutava, ficou evidente que o irmão ainda tinha profundo amor a Jeová. Ele fazia questão de estudar cada número de A Sentinela e se esforçava em frequentar as reuniões. Mas as ações de alguns na congregação o haviam deixado desanimado e um tanto amargurado. O ancião ouviu o irmão com empatia, sem julgá-lo, e demonstrou preocupação amorosa com ele e sua família. Aos poucos, o irmão percebeu que estava permitindo que experiências ruins do passado o impedissem de servir ao Deus que ele amava. O ancião convidou o irmão a acompanhá-lo na pregação. Com a ajuda desse ancião, o irmão voltou a ser ativo no ministério e por fim se qualificou de novo como ancião.

[Foto na página 22]
Ouça pacientemente alguém que precisa de encorajamento (Veja os parágrafos 14 e 15.)

15 Nem sempre uma pessoa desanimada se sente imediatamente melhor ou corresponde rápido à ajuda que oferecemos. Pode ser que precisemos continuar a apoiá-la. Paulo disse: “Não larguem os fracos, sejam pacientes com todos.” (1 Tes. 5:14, An American Translation) Em vez de logo desistirmos dos que estão fracos, como se os estivéssemos ‘largando’, continuaremos a apoiá-los. No passado, Jeová foi paciente com seus servos que às vezes se desanimavam. Por exemplo, Deus foi muito compreensivo com Elias, levando em conta seus sentimentos. Jeová proveu o que o profeta precisava para continuar seu serviço. (1 Reis 19:1-18) Por causa do genuíno arrependimento de Davi, Jeová o perdoou bondosamente. (Sal. 51:7, 17) Deus também ajudou o escritor do Salmo 73, que quase desistiu de servi-lo. (Sal. 73:13, 16, 17) Jeová é compreensivo e bondoso conosco, em especial quando estamos abatidos e desanimados. (Êxo. 34:6) Suas misericórdias são “novas cada manhã” e “certamente não acabarão”. (Lam. 3:22, 23) Jeová espera que sigamos seu exemplo e que tratemos os deprimidos com ternura.

INCENTIVEM UNS AOS OUTROS A PERMANECER NA ESTRADA QUE CONDUZ À VIDA

16 Dos 33 mil prisioneiros que saíram do campo de concentração de Sachsenhausen, milhares morreram. Mas todas as 230 Testemunhas de Jeová que saíram do campo sobreviveram àquela terrível provação. O encorajamento e apoio mútuo foram fundamentais em transformar aquela marcha da morte numa marcha de sobrevivência.

17 Hoje, estamos na “estrada que conduz à vida”. (Mat. 7:14) Em breve, todos os adoradores de Jeová entrarão unidos no novo mundo de justiça. (2 Ped. 3:13) Estejamos decididos a ajudar uns aos outros no caminho que leva à vida eterna.

[Perguntas de Estudo]

1, 2. O que ajudou 230 Testemunhas de Jeová a sobreviver à marcha da morte no fim da Segunda Guerra Mundial?

 3. Por que precisamos nos encorajar uns aos outros?

 4. Se havemos de encorajar outros, que conselho do apóstolo Paulo temos de levar a sério?

 5. O que significa ‘considerar uns aos outros’, e fazer isso exige que esforço?

 6. O que ajudará um ancião a ‘considerar’ os que estão aos seus cuidados?

 7. Como devemos encarar a “conversa irrefletida” dos que estão desanimados?

 8. A quem devemos especialmente ‘confirmar’ nosso amor, e por quê?

 9. O que está envolvido em ‘estimular-se ao amor e a obras excelentes’?

10, 11. (a) Quem dentre nós precisa de elogios? (b) Ilustre como o elogio pode ajudar alguém que ‘deu um passo em falso’.

12. O que se pode dizer sobre usar a vergonha, a crítica ou o sentimento de culpa para motivar outros?

13. O que está envolvido em encorajar outros? (Veja a foto no início deste artigo.)

14. Como um irmão que estava desanimado recebeu ajuda?

15. O que podemos aprender de Jeová sobre encorajar os abatidos?

16, 17. Com a aproximação do fim deste sistema, o que temos de estar decididos a fazer, e por quê?

[Foto na página 18]

[Foto na página 20]

Participe com outros no serviço de campo

[Foto na página 20]

Estimule-os ao amor e a obras excelentes

[Foto na página 21]

Tenha bom companheirismo

[Foto na página 22]

Ouça pacientemente alguém que precisa de encorajamento (Veja os parágrafos 14 e 15.)